Vendas da Industrial Pagé têm forte alta

Em recuperação judicial desde 2012, a Industrial Pagé, uma das maiores empresas de equipamentos e projetos para armazenagem do país, tem ampliado as vendas e espera continuar a cumprir o acordado com seus credores para voltar à normalidade o quanto antes, ainda que não tenha definido um prazo específico para isso.

Segundo Nazareno Di Giovanni, diretor-superintendente da companhia familiar catarinense, a expectativa é que o faturamento aumente 30% em 2014 em relação ao ano passado e alcance cerca de R$ 150 milhões. Em 2013, o crescimento foi de 40%, de acordo com o executivo.

"Para quem está em recuperação, foi um resultado surpreendente para todos". Segundo ele, no primeiro trimestre deste ano a receita cresceu 50% em relação a igual intervalo de 2013 e atingiu R$ 34,6 milhões.

O diretor credita parte desse desempenho à aquecida demanda por equipamentos para armazenagem no país. A empresa comercializa equipamentos para recebimento, transporte, limpeza, secagem e armazenagem de produtos agrícolas. São silos, secadores, elevadores, correias transportadoras e máquinas de limpeza de grão. Os silos representam a maior parte do faturamento.

Mas, para Di Giovanni, a continuidade do avanço da demanda dependerá da "agilidade dos financiamentos" do governo. ‘Se não acontecer o que o governo previa, [o setor] perde credibilidade", afirmou, em referência a linhas de crédito do BNDES como as do Programa de Construção e Ampliação de Armazéns (PCA).

Com uma unidade industrial em Araranguá (SC), a Pagé, que está prestes a completar 50 anos, tem, segundo seu plano de recuperação judicial até 14 anos para pagar suas dívidas. Conforme Luís Alberto de Paiva, presidente da Corporate Consulting, contratada para fazer a reestruturação da companhia catarinense, passivos trabalhistas já foram liquidados e o pagamento do principal começa neste ano.

A dívida da empresa chega a R$ 100 milhões. Somada com a da Angelgres Cerâmica – pertencente aos mesmos acionistas da Pagé, que é controlada pela família Pascoali – o total alcança R$ 150 milhões.

A expectativa é que no fim de cada ano sejam realizados leilões "reversos" nos quais a empresa poderá "comprar" os passivos dos credores que oferecerem os maiores níveis de deságio dos valores a receber, explica Paiva. Todo ano, parte do faturamento será destinada ao pagamento das dívidas. Segundo Paiva, a empresa está "bem solidificada" e poderá crescer 30% ao ano nos próximos anos diante da necessidade de ampliação da capacidade de armazenagem de grãos no país.

Com atuação em todo o Brasil, a Pagé também exporta para países das Américas Central e do Sul e da África. Em 2013, os embarques representaram 18,5% do faturamento.

© 2000 – 2014. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/agro/3526676/vendas-da-industrial-page-tem-forte-alta#ixzz2ztvFNq8V

Fonte: Valor | Por Carine Ferreira | De São Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *