Valor da produção agrícola crescerá menos em 2012

Fonte: Valor | Por Fernando Lopes | De São Paulo

O manancial de incertezas que cerca a economia global e ameaça jogar importantes países desenvolvidos em recessão nos próximos meses deverá reduzir o ritmo de crescimento do valor bruto da produção (VPB) agrícola brasileira em 2012, confirmou levantamento divulgado ontem pelo Ministério da Agricultura. Mas, ainda que para algumas das mais importantes lavouras do país essa primeira estimativa oficial para a receita "da porteira para dentro" sinalize queda no ano que vem, na média dos 20 principais itens o incremento anual projetado, se confirmado, será o quarto consecutivo.

Conforme a Assessoria de Gestão Estratégica do ministério, o VBP das "20 mais" deverá somar R$ 214,183 bilhões em 2012, 4,9% acima do previsto para este ano (R$ 204,093 bilhões), já um novo recorde histórico 11,2% maior que o resultado de 2010. E o próximo recorde pode ser batido mesmo com a queda do VBP da soja, carro-chefe do agronegócio nacional. Com projeção de colheita um pouco menor na safra 2011/12 e tendência de recuo nos preços médios, graças à pressão vinda da crise global, o valor da produção da oleaginosa foi estimada em R$ 49,487 bilhões em 2012, um recuo de 8,2%.

Essa queda, porém, é mais do que compensada pelo avanço projetado para a cana, que tende a se consolidar na segunda posição no ranking dos maiores VBPs agrícolas. Sem a quebra da produção que marcou a safra 2011/12 no Centro-Sul, em decorrência de adversidades climáticas, o valor da produção dos canaviais foi estimado em R$ 44,244 bilhões, 34% mais que o montante projetado para 2011. Analistas ponderam, contudo, que a envergadura do aumento do volume de produção no novo ciclo (2012/13) está no terreno das apostas. A Archer Consulting, por exemplo, lembrou que há até quem preveja uma manutenção em torno de 490 milhões de toneladas, mas que o mercado trabalha com um intervalo entre 520 milhões e 540 milhões de toneladas.

Mais em www.agricultura.gov.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *