Vaivém – Vagarosidade na divulgação das estatísticas de agro pelos EUA frustra setor

Informações, atrasadas devido à paralisação no governo, virão a conta-gotas e dificultam negociações

O mercado de commodities esperava boas notícias nesta quinta-feira (31), quando o Usda (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) retomou a divulgação de estatísticas do setor.

A divulgação havia sido interrompida devido à não aprovação do Orçamento do país, o que gerou uma paralisação do governo. Democratas e o presidente Donald Trump não chegaram a um acordo sobre o financiamento da construção de um muro na divisa dos EUA com o México.

A divulgação das estatísticas que ficaram represadas vai chegar ao mercado a conta-gotas, o que não agradou ao setor.

Umas das necessidades dos participantes do mercado é saber como estão as vendas de soja americana para a China. Sem esses números, a Bolsa de Chicago "andou de lado", no jargão dos operadores.

Colheita de soja em MarylandColheita de soja em Maryland – Mark Wilson – 19.out.18/Getty Images/AFP

A China não comprou soja americana de maio à primeira semana de dezembro. Nas duas seguintes, porém, acumulou importações de 3,5 milhões de toneladas.

O quanto os chineses estão comprando neste reinício de importações é importante para a formação dos preços, que, mesmo com a quebra de safra no Brasil, não reagem.

O volume de 3,5 milhões de toneladas de soja adquiridas pela China no mercado americano, nesta safra, é bem inferior aos 24 milhões comprados em igual período anterior.

Daniele Siqueira, da AgRural, diz que o mercado espera também os dados de oferta e demanda, que serão divulgados no dia 8 de fevereiro.

No relatório, o Usda deverá reajustar o tamanho da safra brasileira, que tem previsão menor de produção do que a inicial e definirá qual foi o volume da safra americana de 2018/19.

Argentina A produção de soja deverá atingir 53 milhões de toneladas neste ano, segundo cálculos da Bolsa de Cereais de Buenos Aires. No ano passado, devido a problemas climáticos, a safra ficou em apenas 35,1 milhões.

Milho As estimativas da Bolsa indicam um volume recorde de 45 milhões de toneladas, bem acima dos 31,7 milhões de 2018. Área e produtividade maiores vão dar sustentação à safra.

Desafios A produção recorde do cereal na Argentina se transforma em desafio para o Brasil. Os argentinos vão participar muito mais do mercado internacional, competindo com o produto brasileiro.

Vaivém das Commodities

Vaivém das Commodities

A coluna é assinada pelo jornalista Mauro Zafalon, formado em jornalismo e ciências sociais, com MBA em derivativos na USP.

Fonte : Folha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *