Vaivém – STJ põe fim à briga entre tradings e produtores rurais no tema recuperação judicial

Empresas devem devolver próximo de R$ 35 mi a um produtor de MT, devido a arresto de mercadorias

Os produtores rurais venceram uma batalha jurídica que se arrastava há muito tempo. Eles podem entrar com recuperação judicial sem estar registrados há pelo menos dois anos na Junta Comercial, como era o entendimento anterior.

Allison Giuliano Franco e Sousa, sócio do grupo ERS Consultoria e Advocacia, defende que o produtor está em uma situação de regularidade. Para ele, a inscrição é apenas um requisito formal, uma tese que acabou prevalecendo na Justiça.

Os diferentes entendimentos sobre o assunto geraram uma longa discussão judicial em Mato Grosso. Um juiz de primeiro grau deu ganho à tese de que produtores rurais não têm a necessidade de estar na Junta Comercial há dois anos para o início de uma recuperação judicial. A decisão ocorreu em Sinop (MT).

O Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso, seguindo a linha de que era necessário o registro por dois anos, revogou a recuperação judicial.

Em 2019, o escritório de Sousa entrou com recurso especial na defesa do produtor Alessandro Nicoli, na Terceira Turma. Paralelamente ao caso de Nicoli, a Quarta Turma julgava o processo de José Pupin, onde ocorriam os mesmos impasses.

Vista de colheita de cana-de-açúcarVista de colheita de cana-de-açúcar – Mauro Zafalon/Folhapress

“Conseguimos uma liminar no STJ (Superior Tribunal de Justiça) em maio de 2019, onde logramos suspender a decisão do Tribunal de Justiça e estabelecer, por liminar, a recuperação judicial do Nicoli. E o processo foi julgado este ano”, diz Sousa.

Em novembro de 2019, a Quarta Turma entendeu, na ação de Pupin, que deveria prevalecer a tese de dispensa da inscrição por dois anos. Tradings e bancos, no entanto, recorreram dizendo que ainda corria uma ação similar na Terceira Turma, e que esta poderia gerar um entendimento diferente.

Diante dessa situação, o Tribunal de Justiça de Mato Grosso continuou revogando a recuperação judicial dos produtores. Com o final do julgamento do processo do produtor Nicoli, nesta terça-feira (6), houve uma fixação de tese, diz Sousa.

As duas turmas que discutem direito privado dentro do STJ tiveram entendimento que o produtor rural pode entrar com recuperação judicial com menos de dois anos de inscrição. Ele deve estar inscrito, e isso é uma condição obrigatória. Essa inscrição, no entanto, não precisa ter dois anos, afirma o sócio do grupo ERS.

“Houve uma pacificação do tema, e isso repercutirá em todas as ações do tribunal”, afirma ele.

Um dado importante dessa decisão, porém, se refere aos produtos —soja e milho— que foram levados durante a suspensão da recuperação judicial, que tinha sido determinada pelo Tribunal de Justiça.

Esses produtos agrícolas deverão ser restituídos a valores de hoje, diz Sousa. O arresto foi feito em um período em que a soja estava a R$ 62 a saca. Os valores atuais estão próximos de R$ 153 por saca, diz o advogado. O montante a ser devolvido pelas tradings ao produtor poderá chegar a R$ 35 milhões.

Na avaliação da Justiça, o credor, ao concretizar o arresto, assumiu o risco de fazer a devolução posterior.

Este é o primeiro caso no Brasil nesse sentido. E esse novo entendimento da Justiça chama a atenção para o aspecto de negociação da recuperação judicial. A briga não vale a pena. É necessária sempre a busca de uma negociação, antes do embate, diz o advogado.

MAIS UMA SAFRA RECORDE

O Brasil deverá produzir 269 milhões de toneladas de grãos na safra 2020/21. A safra de verão já está sendo semeada e deverá atingir 260 milhões.

Os dados são da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), que divulgou a primeira expectativa de produção para a próxima safra nesta quinta-feira (8).

Os grandes destaques continuam sendo soja e milho. A produção da oleaginosa deverá atingir 133,7 milhões de toneladas, 7,1% a mais do que na safra deste ano. Já produção de milho deverá render 105,2 milhões de toneladas, com evolução de 2,6%.

Se as safras de soja e de milho vão bem, as de arroz e de algodão nem tanto. A Conab prevê queda nas duas em 2021. Incentivados pelos preços atuais, os produtores vão aumentar em 1,6% a área do cereal, mas a produtividade cai 4,2%, resultando em uma safra total de 10,9 milhões de toneladas. Esse volume indica redução de 2,7%, em relação ao deste ano.

O cenário se repete com o feijão. A área semeada tem um pequeno aumento, mas a produtividade média recua. O resultado é uma safra de 3,1 milhões de toneladas, 3,2% abaixo da anterior, prevê a Conab.

O grande salto na produção de grãos no país virá da região Sul. Rio Grande do Sul se recupera e terá safra de grãos de 36,5 milhões de toneladas, 36% mais do que neste ano. Em volume, o crescimento é de 9,6 milhões de toneladas.

Vaivém das Commodities

Vaivém das Commodities

A coluna é assinada pelo jornalista Mauro Zafalon, formado em jornalismo e ciências sociais, com MBA em derivativos na USP.

Fonte : Folha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *