Vaivém: Sem organização, agricultura familiar não cresce

A vida do pequeno agricultor mudou muito nas últimas décadas, e para melhor. Há políticas públicas para o setor, crédito e financiamentos.

O problema é que apenas isso não basta. É preciso mais organização.

Para isso, é preciso a participação efetiva de técnicos para orientar não só o acesso às políticas do governo como as medidas práticas a serem adotadas no campo.

A avaliação é de Braz Albertini, presidente da Fetaesp (Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de São Paulo), também um pequeno produtor.

Albertini diz que a vida era muito difícil há alguns anos. Mas agora o produtor, mesmo tendo melhores oportunidades, precisa de motivação.

A produção isolada e em pequenos volumes não dá retorno. Transportes, pedágios e outros custos inviabilizam esse sistema de produção. Os governos devem se encarregar de uma organização que torne viável a participação dos pequenos no sistema de fornecimento de alimentos.

Para Albertini, essa organização poder ser desde as feiras agropecuárias desenvolvidas pelas prefeituras até a destinação dos produtos da agricultura familiar para presídios e merenda escolar.

Alguns programas já existem, mas o produtor isoladamente não tem acesso ou não consegue participar deles, segundo Albertini.

Enquanto não houver uma organização da produção e consequente aumento da renda do produtor, a agricultura familiar vai continuar perdendo sua população, "que prefere atender aos apelos das cidades", afirma.

Com isso, a agricultura familiar vê cada vez mais um êxodo rural.

POLÍTICAS

"Temos como produzir de tudo, mas não temos políticas", diz Albertini. Ele cita o caso da Anater (Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural), aprovada no Congresso, mas que ainda não teve efeito prático.

O produtor não pode esperar mais por um órgão que deveria se encarregar de promover a integração da pesquisa agropecuária, qualificar profissionais, elevar o conhecimento do produtor e buscar inovação tecnológica.

"Sem conhecimento e tecnologia, não há renda. E sem renda não há investimentos", afirma Albertini.

*

Japão faz parcerias para impulsionar renda agrícola

Um exemplo para os pequenos produtores rurais do Brasil poderia vir do Japão.

O país asiático vive o drama de como produzir alimentos com cada vez menos agricultores.

Preocupado com o cenário futuro, o governo engaja empresas não agrícolas nesse setor. E tem dado certo.

De acordo com o Ministério de Agricultura do Japão, 61% dos agricultores têm mais de 65 anos. A população jovem sai do campo devido à renda.

Dependentes da agricultura, empresas não agrícolas, como indústrias, restaurantes e supermercados, fazem parcerias para uma sobrevivência conjunta.

O censo mais recente do país indicou uma alta de 22% nessas parcerias em comparação a 2005.

*

Boi gordo

Arroba volta a subir e já é cotada a R$ 128

O preço do boi gordo voltou a subir nas praças de comercialização de São Paulo. Nesta quarta-feira (27), a arroba do animal foi negociada a R$ 128. Segundo pesquisa da Informa Economics FNP, a forte demanda e a redução na quantidade de animais explicam o aumento nos preços da carne.

Fonte: Folha

28/08/2014 02h00

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *