Vaivém: Safra avança em Mato Grosso, e preço do algodão recua

Colheira do algodão na região Norte do Estado de Mato Grosso; preços do produto recuam
Fernando Donasci – 13.jun2005/Folhapress

Colheira do algodão na região Norte do Estado de Mato Grosso; preços do produto recuam

O preço interno do algodão, que esteve descolado do praticado no mercado externo nos últimos meses, começa a voltar a um patamar mais equilibrado.

Em maio, o preço de Mato Grosso superava em R$ 9,72 por arroba o de Nova York. Neste mês, a diferença é de R$ 4,48, segundo dados do Imea (Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária).

Esses preços ocorriam devido à baixa disponibilidade de produto no país. Com o avanço da colheita no Estado, a pressão nos preços diminuiu.

Cotada atualmente a R$ 2,62 por libra-peso, a arroba esteve a R$ 2,67 há um mês, conforme dados do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada).

A redução do diferencial se deve à queda de preços internos e à alta em Nova York.

O primeiro contrato na Bolsa de futuros de Nova York foi cotado nesta terça-feira (26) a 73,63 centavos de dólar por libra-peso, 14% mais do que há um mês.

As máquinas já avançaram em pelo menos um quarto da área a ser colhida, que é de 607 mil hectares no Estado.

A produtividade, como ocorre com outras culturas no Estado, tem uma grande variedade de região para região.

As lavouras que tiveram um estresse hídrico mais acentuado rendem 150 arrobas por hectare, mas as em melhores condições chegam a 280 arrobas, segundo o Imea.

A produção está prevista em 938 mil toneladas no Estado, com pouca variação em relação à anterior.

*

PREÇOS CAEM COM SAÍDA DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS

As perspectivas de boas safras, tanto nos Estados Unidos como em boa parte de outros países países produtores de grãos, estão fazendo os fundos de investimentos saírem das commodities agrícolas.

Nesta terça-feira (26), foi a vez de os preços do trigo sofrerem esse efeito. O primeiro contrato teve recuo de 3,3%, caindo para US$ 4,15 por bushel (27,2 quilos) em Chicago.

Estoques mundiais elevados e boa safra no Leste Europeu ajudaram na queda dos preços. Nos últimos 30 dias, a queda nos preços do cereal foi de 9%.

A soja se manteve abaixo dos US$ 10 por bushel (27,2 quilos) nesta terça-feira e aponta queda de 10% em 30 dias.

Já o recuo do milho é ainda maior, caindo para US$ 3,33 por bushel (25,4 quilos), 14% menos do que há um mês.

*

Financiamento O governo paulista deverá publicar no "Diário Oficial" desta quarta (27) que, dentro do teto de R$ 200 mil de financiamento, o agricultor poderá adquirir qualquer tipo de implemento agropecuário por meio do Pró-Implemento, inclusive bens automotrizes, autopropelidos e estacionários.

Tratores Via Feap (Fundo de Expansão do Agronegócio Paulista), o produtor terá R$ 57 milhões para pagar os juros dos tratores adquiridos pelo programa Pró-Trator.

Fonte: Folha

Por Mauro Zafalon

Vaivém das Commodities

Mauro Zafalon é jornalista e, em duas passagens pelaFolha, soma 40 anos de jornal. Escreve sobre commodities e pecuária. Escreve de terça a sábado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *