Vaivém: Quando a onça faz parte da solução

Presença do felino significa ponto alto da sustentabilidade; isso e outras boas práticas levaram fundo europeu a financiar fazenda em MT

Em 2018, onças pintadas mataram 962 cabeças de gado nas pastagens de uma fazenda de Mato Grosso. Problema? Ao contrário, solução.

A presença dos felinos é uma indicação da qualidade da biodiversidade das matas de uma propriedade. O resultado foi que, esse fato, associado a uma série de boas práticas na fazenda, levaram o fundo holandês &Green a se interessar pela atividade que a fazenda desenvolve. O fundo acaba de fazer um pacto financeiro com ela.

A fazenda é a Roncador, localizada no município de Querência (MT) no Vale do Araguaia. Ela terá um financiamento de US$ 10 milhões (R$ 50 milhões) do fundo, com juros de 2,95% ao ano, bem abaixo do patamar de mercado.

Há uma década, ela apresentava desgaste do solo e a atividade agropecuária já não tinha mais lucratividade.

Imagem de uma onça pintada

Onça pintada na fazenda Roncador, em Querência (MT), no Vale do Araguaia; em 2018, elas abateram 962 bois na propriedade – Arquivo da Fazenda Roncador

Com gestão, tecnologia e sustentabilidade houve uma drástica evolução da produtividade, que hoje supera em 41 vezes a dos tempos de solo degradado, diz Pelerson Penido Dalla Vecchia, presidente do Grupo Roncador.

A Roncador tem 152 mil hectares, cultiva grãos em 50 mil deles e tem 70 mil cabeças de gado. Com a integração lavoura-pecuária, a propriedade se tornou altamente sustentável.

Na safra 2017/18, emitiu 82,5 mil toneladas de CO2, mas removeu outras 172,3 mil, com ganho de 89,8 mil toneladas. O sistema da fazenda, além de sustentável, passou a ser viável economicamente.

Por isso, o fundo procurou o grupo para um primeiro experimento, que pode ser levado a outras propriedades da região que se enquadrem nesse perfil.

A Roncador lidera um movimento constituído por um grupo de 63 propriedades, denominado Liga do Araguaia. Foi o fundo que procurou a Roncador, mas as negociações não foram fáceis.

Avaliaram pesquisas, certificações, desempenhos e balanços da fazenda. Viram a consistência econômica e, principalmente, a capacidade de intensificação da produção, diz Dalla Vecchia.

Na pecuária, a Roncador colocará mais animais por hectare. Um núcleo da empresa vai intensificando a produção e, conforme os resultados surgem, replica para a fazenda. Entre os desafios está a produção de capim, a base da alimentação dos animais, segundo o presidente do grupo.

Na produção de grãos, a produtividade da soja já chega a 70 sacas em um terço da propriedade. O objetivo é trazer toda a produção para essa média, e, na sequência, buscar novos patamares.

Um dos acertos com o fundo é elevar a produtividade de toda a fazenda em 58%, utilizando a mesma área atual de produção. Além disso, o grupo Roncador deve compartilhar o aprendizado com pequenos, médios e grandes produtores da região.

As vantagens do empréstimo são o período de oito anos para o pagamento e a taxa de juro de 2,95% ao ano. Esse é o primeiro empréstimo no Brasil feito pelo fundo, que já tem outros dois projetos ligados a borracha na Indonésia.

A montagem da operação financeira entre a Roncador e o &Green demorou dois anos e exigiu a apresentação de evidências da sustentabilidade e de indicadores de desempenho por parte da fazenda.

Entre as cláusulas do contrato estão a recuperação de pastagens degradadas, a proteção de 70 mil hectares de mata nativa e a recuperação e 200 hectares de floresta.

Onça é flagrada por armadilha fotográfica instalada no Parque Nacional do Iguaçu, em projeto desenvolvido em parceria entre Brasil e Argentina

Onça é flagrada por armadilha fotográfica instalada no Parque Nacional do Iguaçu, em projeto desenvolvido em parceria entre Brasil e Argentina Projeto Onças do Iguaçu

Além do aumento de produtividade, que virá com uma restauração da fertilidade do solo, e menor uso de pesticidas.

A fazenda, que mantém um viveiro com 44 mil mudas de espécies nativas, foi a primeira no país a obter o certificado de proteção das onças pintadas.

Com um certo ar de entusiasmo, Dalla Vecchia diz que o número de gado abatido pelas onças, que era de 95 em 2009, foi de 962 em 2018, apontando o quanto o ambiente está favorável aos felinos. Tudo isso significa sustentabilidade do ecossistema.

Vaivém das Commodities

A coluna é assinada pelo jornalista Mauro Zafalon, formado em jornalismo e ciências sociais, com MBA em derivativos na USP.

Fonte: Folha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *