Vaivém – Produtores já negociaram 75% da safra recorde de café

O poder de uma xícara de café e duas cadeiras

Pelo menos 75% da produção de café do Brasil já foi comercializada pelos produtores

Pelo menos 75% da produção recorde de café do Brasil já foi comercializada pelos produtores. Esse percentual supera a média de 63% dos últimos cinco anos no mesmo período de comparação.

Gil Barabach, analista da Safras & Mercado, atribui essa venda acelerada a bons momentos de preços vividos pelo setor neste ano.

O patamar de negociação na Bolsa de commodities de Nova York, o dólar favorável em vários momentos do ano e os bons preços internos incentivaram as vendas.

Essa situação de mercado não foi linear, no entanto, com dias mais agitados do que outros, diz Barabach.

Para ele, "o produtor soube aproveitar os bons momentos para a comercialização antes e durante a safra".

Outro fator que favoreceu o avanço da comercialização foi a presença agressiva das indústrias internas na compra de café, devido à intensa quebra na produção do produto do tipo conilon.

NOVOS NÚMEROS

A Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) divulgou nesta quinta-feira (22) novos números para a safra.

A produção brasileira de café deste ano vai ser recorde, subindo para 51,4 milhões de sacas.

Este é o quarto levantamento de safra do órgão e aponta uma alta de 19% em relação ao volume do ano passado.

O café tipo arábica dá sustentação a essa safra recorde, devido à melhor produtividade. A Conab constatou uma produtividade de 26,3 sacas por hectare neste ano, 17% acima da verificada na safra anterior.

Foram produzidos 43,4 milhões de sacas de café arábica, 35,4% mais. Já a produção de café conilon teve intensa redução neste ano, caindo para 7,98 milhões de sacas, o menor volume desde 2005. A redução foi 29%.

A Safras & Mercado também prevê uma safra recorde. O último levantamento da consultoria é de setembro e aponta 54,9 milhões de sacas.

Barabach diz que nas próximas semanas a consultoria vai rever esses números, elevando o volume de café arábica (atualmente em 42,8 milhões), mas diminuindo o de conilon (que é de 12,1 milhões). O volume total deverá superar os 55 milhões de sacas.

O Usda (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) também divulgou, na semana passada, previsão de safra de café para o Brasil.

Segundo o órgão norte-americano, a produção total brasileira de 2016/17 foi de 56,1 milhões de sacas. Destas, 10,5 milhões são de café conilon e 45,6 milhões de arábica.

*

Carne no ponto A União Europeia vem ocupando boa parte do mercado internacional de carne suína. De janeiro a outubro, os países do bloco elevaram em 26% as exportações do produto.

Apetite chinês Com a saída da Rússia da lista dos países importadores da União Europeia, a China ocupa a primeira posição. Até outubro, os chineses elevaram em 76% as compras na União Europeia, somando 1,58 milhão de toneladas. Hong Kong importou outras 303 mil.

Líderes Os chineses são os maiores produtores mundiais de carne suína, somando 51,3 milhões de toneladas. A seguir vêm a União Europeia (23 milhões), os Estados Unidos (10,6 milhões) e o Brasil (3,3 milhões).

Divulgação

Por Mauro Zafalon

Vaivém das Commodities

Mauro Zafalon é jornalista e, em duas passagens pela Folha, soma 40 anos de jornal. Escreve sobre commodities e pecuária. Escreve de terça a sábado.

Fonte : Folha

Compartilhe!