Vaivém – Produtor está apreensivo com o plantio de 2017

CANARANA, MT, 04.04.2017: AGRICULTURA-MT - Colheita de soja em Canarana (MT). (Foto: Mauro Zafalon/Folhapress)

Colheita de soja em Canarana (MT)

Após um 2016 perfeito, o plantio de 2017 está deixando os produtores apreensivos devido à falta de chuva.

Em algumas regiões ocorrem chuvas esparsas, mas em quantidade ainda é insuficiente. Com isso, o plantio de soja deste período de verão ainda está bastante lento.

Se confirmado o atraso no plantio, o produtor poderá perder não só produtividade mas também o tempo ideal de plantio da segunda safra, a chamada safrinha.

Em 2016, as chuvas vieram na hora e na quantidade certas. O resultado foi uma supersafra, tanto no período de verão como no de inverno.

Dados da consultoria AgRural indicam que, neste mesmo período do ano passado, os agricultores já haviam semeado 5% da área que seria plantada.

A média dos últimos cinco anos é de 2% para o período. Já neste ano, considerados os dados de plantio até o dia 21, a taxa é de apenas 0,3%.

O mercado externo está de olho na evolução do plantio no Brasil. Os preços, que chegaram a subir em Chicago, agora caem, à espera da volta da normalidade das chuvas.

*

Mais abates – Está difícil reativar frigoríficos no país. A Marfrig arrendou o Arantes Alimentos de Nova Monte Verde (MT), que está desativado. Após ter assinado o contrato com o proprietário, e enquanto aguarda a reforma para que o estabelecimento volte a funcionar, pôs seguranças na porta da unidade.

Troca de comando – No sábado, um grupo de homens pertencentes a uma equipe de vigilância privada, que disse representar a JBS, deslocou-se para o frigorífico para também assumir a portaria da unidade.

Contrato duplo – Segundo o representante do grupo de vigilância, o frigorífico ainda está sob o comando da JBS, que havia assinado contrato com um fundo de investimento. Este, por sua vez, havia comprado o frigorífico em leilão. O caso foi parar na delegacia. Marfrig e JBS não quiseram se manifestar.
Bodas de prata – A safra brasileira de vinhos de 2017 será reconhecida pela qualidade dos vinhos tintos. "Além de manter o padrão dos vinhos brancos e dos espumantes, como vinha ocorrendo nos últimos anos, o produtor conseguiu elevar a qualidade dos tintos", afirmou Edegar Scortegagna, enólogo e presidente da ABE (Associação Brasileira de Enologia).

Quantidade – A safra foi boa tanto em qualidade como em quantidade. Segundo Scortegagna, os vinhos tintos deverão apresentar boa estrutura, bom teor alcoólico e coloração intensa, com potencial para ser vinho de guarda. Já em relação aos espumantes e vinhos brancos, os consumidores poderão esperar bebidas com boa acidez e expressão intensa de fruta.

Avaliação – A qualidade pôde ser conferida na 25ª Avaliação Nacional de Vinhos da safra 2017, realizada no sábado (23), em Bento Gonçalves (RS). O evento teve a presença de 900 pessoas que degustaram as 16 amostras de vinhos mais representativos desta safra.

Por Mauro Zafalon

Vaivém das Commodities

Mauro Zafalon é jornalista e, em duas passagens pela Folha, soma 40 anos de jornal. Escreve sobre commodities e pecuária. Escreve de terça a sábado.

Fonte : Folha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *