Vaivém: Paçoquinha, geleia de umbu e mel diversificam exportação além da soja

Falta de inserção nos mercados externos faz com que o Brasil exporte cada vez mais itens menos processados

O Brasil é imbatível nas exportações de soja. As receitas deste ano poderão chegar a US$ 45 bilhões. A balança comercial brasileira cresce continuamente, e o país exporta muito, mas com receitas provenientes de poucos produtos. É preciso explorar o mercado externo com novos itens.

A demanda externa é ampla e variada, mas o desafio é atingir o consumidor e entrar diretamente na cadeia de consumo deles, segundo Lígia Dutra, superintendente de relações internacionais da CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil).

Para ela, a falta de inserção nos mercados externos faz com que o Brasil exporte cada vez mais itens menos processados. O agronegócio brasileiro precisa se internacionalizar e ter mais espaço lá fora, inclusive em mercados novos.

Potes de mel produzidos na Casa do Apicultor, em Santana de Parnaíba (SP) – Renato Stockler – 25.nov.2010/Folhapress

“Não temos como olhar para o mundo sem olharmos para os países da Ásia, com destaques para China, Japão, Coreia do Sul, Malásia, Indonésia e Vietnã”, afirma ela.

A capacidade nacional de exportação, no entanto, vai depender de uma profissionalização. Mesmo assim, não é fácil. Todos os produtores mundiais querem vender para esses mercados, devido à escala e à variedade de produtos adquiridos por eles.

Para sair da dependência de apenas alguns produtos no rol das exportações, como a soja, e diversificar as vendas externas, Dutra lista uma série de produtos brasileiros que começam a ganhar força e têm potencial no mercado externo.

Entre eles, frutas frescas e secas, hortícolas, amendoim, gergelim, feijão, mel e açaí. O país, porém, ainda está longe dos concorrentes nesses setores.

Os Estados Unidos, por exemplo, um dos grandes competidores do Brasil, devido à similaridade das exportações, perde na soja, mas ganha em muito na diversificação da balança comercial.

A exportação anual de frutas do Brasil está próxima de US$ 900 milhões nos últimos anos. A dos Estados Unidos atinge US$ 5,8 bilhões.

Os americanos são fortes também nas vendas externas de vegetais frescos e processados. Eles obtêm US$ 5,2 bilhões por ano com esses itens.

Dutra diz que é importante o país ampliar as exportações desses produtos porque eles concentram mão de obra intensiva, geram riqueza e renda para pequenos produtores, além de elevar o IDH —índice que mede quesitos de saúde, educação e renda.

Para a representante da CNA, essa evolução é demorada, mas muitas associações e empresas estão se voltando para produtos vindos da agricultura familiar.

O programa AgroBrazil, da CNA, busca mercado, encontra compradores e facilita a logística. O Sebrae atua na gestão de empresas, indicações geográficas e embalagens. Já o Senar cuida da produção, principalmente levando em consideração o padrão internacional.

Lavoura de milho no norte do Paraná; milho está entre os produtos mais exportados pelo Brasil

Lavoura de milho no norte do Paraná; milho está entre os produtos mais exportados pelo Brasil Mauro Zafalon/Folhapress

As cooperativas têm desempenhado um papel importante para agrupar esses produtores, segundo a superintendente da CNA. As exportações têm elevados custos, que vão de impostos a crédito e certificações.

Além disso, é necessária uma logística para administrar os pequenos volumes, vindos de muitos produtores. O papel das cooperativas é preponderante.

As opções são diversas, e a gama de produtos é longa. Vão de amendoim e seus derivados a geleias de frutas tropicais e mel. O importante é descobrir o consumidor ideal para eles.

A tradicional paçoquinha brasileira atrai os chineses. Já a geleia de umbu caiu nas graças dos alemães. Embora a Europa seja especializada em geleias, o produto brasileiro, oriundo de uma cooperativa de mulheres e de pequenos produtores do sertão da Bahia, alcançou os supermercados do país europeu.

Na avaliação de Dutra, o Brasil precisa aproveitar também a qualidade de seus produtos. O mel brasileiro é superior ao de outros países. Quando vendido a granel, essa qualidade desaparece, uma vez que é misturado a produto de outras origens. É necessária uma agregação de valor, diz ela.

As receitas com exportações fora dos grandes grupos, como grãos e carnes, ainda são pequenas, mas as possibilidades se apresentam infinitas, segundo Dutra.

“É preciso estar lá, conhecer o mercado e se antecipar às mudanças de tendências de consumo.” Ela cita o exemplo da China. O país está se abrindo a produtos do Ocidente, principalmente ao leite.

É preciso estudar e aproveitar as necessidades de cada região, com produtos específicos. Enquanto os asiáticos elevam consumo devido à renda maior, os europeus olham para fatores sociais, que incluem sustentabilidade e agricultura familiar.

Em todos os mercados, no entanto, a qualidade da mercadoria e os protocolos fitossanitários fazem parte dessas negociações, afirma.



Agricultura tropical Na abertura do seminário AgriTrop, nesta segunda-feira (22), Manuel Otero, presidente do IICA, um dos organizadores do evento, afirmou que é preciso acelerar o processo de transformação da agricultura com desenvolvimento mais sustentável e equitativo.

Peso do Brasil O presidente da entidade destacou que isso é possível com a difusão do conhecimento adquirido no Brasil para os países da América, o que elevará a produtividade.

Solução Alysson Paolinelli, um dos fundadores da agricultura tropical no país, afirmou que o sistema brasileiro é a solução para as regiões mais pobres e improdutivas. É viável, econômico e dá renda.

Cesta básica O desenvolvimento do cerrado brasileiro, com base na ciência, permitiu uma redução do custo da cesta básica em 50% no país nas últimas cinco décadas, segundo Celso Moretti, presidente da Embrapa, também organizadora do evento.

Novas áreas O avanço foi possível graças ao aumento da produtividade, segundo Moretti. O país tem 60 milhões de hectares de terra de pastagens improdutivas que poderão ser incorporados à agricultura.

Colheita Pelo menos 78 milhões de toneladas de soja, das 133 milhões que deverão ser colhidas nesta safra, já estão nos armazéns ou a caminho dos vários destinos de exportação, segundo a AgRural.

Exportação A Secex divulgou, nesta segunda-feira, que as exportações de soja deste mês somam 3 milhões de toneladas. A média diária superou em 19% a de igual período do ano passado.

Fonte: Folha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *