Vaivém – Números da safra já apontam efeitos da seca no país

Conab e Usda divulgam novas estimativas de produção, indicando redução na safrinha de milho

O efeito clima começa a aparecer nas estimativas de safra do Brasil. As principais entidades que acompanham o setor passaram a prever uma produção de grãos bem menor do que se esperava.

A Conab (Companhia Nacional de Abastecimento prevê uma safra de 106,4 milhões de toneladas de milho, abaixo dos 109 esperados anteriormente.

O Usda (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) foi ainda mais radical, reduzindo a estimativa de produção de milho de abril, de 109 milhões de toneladas, para 102 milhões neste mês.

Colheita de milho realizada na Fazenda Recanto, no município de Mateiros, região do Jalapão (TO) – Lalo de Almeida – 12.mai.2015/Folhapress

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) prevê 102,5 milhões de toneladas, um volume 500 mil a mais do que era esperado em abril.

Esse arranjo nas estimativas ocorre porque boa parte do milho foi semeada fora do tempo ideal na safrinha deste ano, devido ao atraso na colheita de soja.

Conab e IBGE continuam, porém, divergindo sobre a produtividade da safra brasileira. Eles mantêm praticamente a mesma área de semeadura, tanto para milho como para soja.

O IBGE, no entanto, prevê que a produtividade de soja terá uma saca e meia a menos por hectare do que estima a Conab. Com relação ao milho, a estimativa do IBGE indica quase uma saca a menos do que a da Conab.

O Usda mostrou nesta quarta-feira (12) o quadro de oferta e demanda desta safra e da próxima dos americanos. Os dados de soja não aliviam o quadro de aperto interno dos Estados Unidos, segundo avaliação dos analistas da AgRural.

Agronegócio em meio a pandemia

Colheita de milho na zona rural de Planaltina, região administrativa do DF

Colheita de milho na zona rural de Planaltina, região administrativa do DF Pedro Ladeira/Folhapress

O estoque final desta safra de soja será de apenas 3,3 milhões de toneladas nos Estados Unidos. O da próxima fica em 3,8 milhões.

Na avaliação do mercado internacional, o Usda mantém estimativa da safra brasileira em 136 milhões para este ano e eleva o volume para 144 milhões em 2021/22.

Para Guilherme Bellotti, do Itaú BBA, os estoques de soja e de milho permanecem bastante baixos nos Estados Unidos, sob uma perspectiva histórica, principalmente os de soja.

Isso sugere que os valores das duas commodities seguirão firmes o suficiente para conter aumentos adicionais de demanda, afirma o analista.

Em vista da redução da safra de milho, a Conab reajustou a safra total de grãos do Brasil para 271,7 milhões de toneladas. O IBGE estima 264,5 milhões.



Grande perdedor Os estados do Sul vêm registrando constantes efeitos climáticos adversos nos últimos anos. Após o Rio Grande do Sul, agora é a vez do Paraná.

Safra paranaense A produção do segundo maior produtor de grãos do país deverá ficar abaixo dos 40 milhões de toneladas. O líder Mato Grosso deverá produzir 76 milhões.

A coluna é assinada pelo jornalista Mauro Zafalon, formado em jornalismo e ciências sociais, com MBA em derivativos na USP.

Vaivém das Commodities

Fonte : Folha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *