Vaivém – Mais do que taxar importação, Brasil precisa ter agenda interna para o leite

Setor necessita de mais acesso a crédito e melhora na preparação do pequeno produtor, segundo entidade

A retirada da taxa antidumping do leite de 14,8% da União Europeia e de 3,9% da Nova Zelândia não é uma decisão política, mas baseada em investigações técnicas.

Renovável a cada cinco anos, a retirada dessas taxas já havia sido recomendada no governo de Michel Temer. Não deveria ter causado surpresas.

Vacas leiteiras na França; taxa de antidumping de 14,8% da União Europeia foi retiradaVacas leiteiras na França; taxa de antidumping de 14,8% da União Europeia foi retirada – George Gobet – 23.mar.15/AFP

A avaliação é de Sandra Rios, diretora do Cindes (Centro de Estudos de Integração e Desenvolvimento).

Para Rios, as discussões deveriam ter outro foco. O país precisa mais de uma agenda interna para o leite do que medidas de proteção via importações.

O setor brasileiro está fragmentado em pequenos produtores, principalmente no Sul. Competitividade, redução de custos e maior utilização de tecnologia fazem parte de uma evolução necessária.

Entre as saídas, a diretora do Cindes diz ver a necessidade de uma redução dos custos de importações de máquinas a serem utilizadas pelo setor.

Ela destaca ainda que o produtor deveria ter mais acesso ao crédito e ser mais bem preparado para fazer uso das novas tecnologias.

A insistência nas elevadas taxas de importações traz desafios futuros ao setor, que não é competitivo na produção de leite em pó.

Se o Brasil quer se inserir no mundo, vai ter de abrir mercado. Alguns setores serão punidos inicialmente e terão de se adaptar. A taxa de 28% para a importação do leite em pó para os países fora do Mercosul já é elevada.

Rios cita o exemplo das negociações entre Mercosul e União Europeia. A Argentina e o Uruguai, exportadores de leite, vão exigir um comércio mais livre no setor lácteo com os europeus. Isso se tornará uma questão ainda mais complexa para o Brasil, segundo a diretora.

O mercado interno é grande e precisa de importações, que são pequenas em relação ao consumo, segundo ela.

Cálculos de Natália Grigol, pesquisadora do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), indicam que as importações de leite em pó foram, em média, de 5% nos últimos anos, em relação ao consumo.

Ela comparou o volume importado de leite em pó com o total de leite cru adquirido pelos estabelecimentos que atuam sob algum tipo de inspeção sanitária (federal, estadual ou municipal).

As importações brasileiras de leite em pó vêm praticamente da América do Sul. Dos US$ 272 milhões gastos no ano passado, US$ 268 milhões foram feitos nos países dessa região.

A Nova Zelândia não entrou na lista dos exportadores para o Brasil, e os exportadores da União Europeia colocaram o correspondente a US$ 1,5 milhão em leite em pó no país, conforme dados da Secex (Secretaria de Comércio Exterior).

Unica O novo diretor-presidente da União da Indústria de Cana-de-Açúcar, Evandro Gussi, fará do Renovabio uma das prioridades do setor no primeiro ano de gestão.

A conta vem depois A Argentina está registrando o maior percentual de abate de fêmeas bovinas desde o início dos anos 2000. A taxa está próxima de 48%. Vai diminuir a oferta de gado nos próximos anos.

?Vaivém das Commodities

Vaivém das Commodities

A coluna é assinada pelo jornalista Mauro Zafalon, formado em jornalismo e ciências sociais, com MBA em derivativos na USP.

Fonte : Folha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *