Vaivém – GOVERNO BOLSONARO – Na contramão do Brasil, população ocupada no agronegócio cresce no Centro-Oeste

CRÍTICA

De 2012 a 2018, evolução foi de 11%, mas recuou 7% na média do país, afirma Cepea

O Centro-Oeste anda na contramão do Brasil, quando se trata de geração de emprego no agronegócio. De 2012 a 2018, a população ocupada nesse setor no Brasil caiu 7%. No Centro-Oeste, subiu 11,2%.

Os dados são do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), que levou em consideração quatro setores: insumos para agropecuária, produção agropecuária básica, agroindústria e agrosserviços.

Oportunidades de emprego nos centros urbanos, concentração da produção e dificuldades dos produtores nos pequenos estabelecimentos rurais frearam as vagas no campo em muitas regiões do país.

Já no Centro Oeste (Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás —o Distrito Federal não está incluído), a evolução da pecuária e a consequente cadeia processadora de proteína animal foram decisivas para o aumento da população ocupada na região.

Funcionários em unidade da BRF em Rio Verde (GO)
Funcionários em unidade da BRF em Rio Verde (GO) – Li Ming – 24.mar.17/Xinhua

No ano passado, os postos de trabalho no agronegócio do Brasil somavam 18,2 milhões. Na região Centro-Oeste, 1,7 milhão.

A pesquisa do Cepea mostrou que 43,2% da evolução dos 11,2% da população ocupada no Centro-Oeste, de 2012 a 2018, ocorreu devido à criação de animais.

A agroindústria de base animal teve participação de 19,3%, e o setor de serviços foi responsável por 32,8%.

Mato Grosso do Sul liderou, com crescimento de 15,4%, seguido de Mato Grosso (mais 14,8%) e de Goiás (mais 6,6%).

O aumento da população ocupada teve reflexos sobre a renda dos trabalhadores e sobre o dinamismo das economias locais. Em 2018, 27,5% dos postos de trabalhos formais e informais do Centro-Oeste estavam relacionados ao agronegócio. A média do Brasil era de 19,9%.

Esse crescimento da população ocupada teve bases diferentes nos três estados analisados. Em Mato Grosso, predominou o agrosserviço; em Mato Grosso do Sul, o segmento primário, e, em Goiás, a agroindústria.

Pela importância que tem na região, o agronegócio gerou R$ 3,65 bilhões em salários, 27,7% do total de toda a região salarial dos três estados.

A pesquisa do Cepea mostrou, ainda, que o salário recebido pelos trabalhadores do agronegócio teve evolução média real de 5,4% de 2012 a 2018. Nos demais setores, o crescimento foi de apenas 1,8%.

O aumento do salário médio real no agronegócio se deve à mecanização e à adoção de processos produtivos modernos no campo, o que tem exigido mão de obra mais bem qualificada e remunerada.

Café  A produção brasileira 2019/20, que está em início de colheita, deverá cair para 58,9 milhões de sacas, segundo estimativas da agência Safras & Mercado.

Café 2 A produção da nova safra deverá cair 8%, em relação à anterior, uma vez que a Safras revisou a produção de 2018/19 para 64,1 milhões de sacas, acima dos 63,7 milhões previstos anteriormente.

Café 3 Gil Barabach, consultor da agência, diz que, após um janeiro de umidade abaixo da média e temperatura muito elevada, as chuvas voltaram ao cinturão cafeeiro e garantiram uma boa granação do café.

Vaivém das Commodities

Vaivém das Commodities

A coluna é assinada pelo jornalista Mauro Zafalon, formado em jornalismo e ciências sociais, com MBA em derivativos na USP

Fonte : Folha

Compartilhe!