Vaivém: Excesso de oferta já afeta plantio do feijão

O excesso de feijão e a baixa qualidade do produto estão afetando os preços da leguminosa. A avaliação é do diretor da consultoria Brandalizze Consulting, Vlamir Brandalizze.

Ele afirma que o excesso de oferta já reduz as áreas cultivadas em São Paulo e no Paraná, duas grandes regiões produtoras do grão.

No Paraná, segundo Brandalizze, o excesso de oferta se explica pela migração de produtores de milho para o cultivo do feijão, preocupados com os baixos preços do cereal no mercado.

Com a falta de produtos de melhor qualidade, o consultor afirma que o preço do feijão-carioquinha pago ao produtor, no Paraná, vai de R$ 50 a R$ 70 a saca.

A concentração do produto de melhor qualidade estaria em Minas Gerais e em Goiás, onde ele estima preços de R$ 95 a R$ 120 a saca.

Para Brandalizze, o excesso de oferta, ainda que de baixa qualidade, afetará a produção da próxima safra.

Ele afirma que 60% da safra já foi semeada no Paraná e os primeiros números indicam redução de 20% a 25% da área de cultivo. Para São Paulo, ele estima que a redução esteja em torno de 20%.

O feijão que chegará ao mercado a partir de novembro terá preços maiores.

Em relatório sobre o mercado da leguminosa, a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) já tinha apontado o risco de o excesso de oferta da safra 2013/2014 desestimular o plantio da primeira safra da temporada de 2014/2015, cujo plantio ocorreu no início de agosto.

"Vamos ter uma redução de oferta e o mercado vai começar o ano com alta do feijão", avalia Brandalizze.

Na Bahia, a Conab liberou recursos para a compra imediata de até 500 toneladas de feijão da melhor qualidade (tipos 1 e 2). A medida pretende garantir preços mínimos de R$ 95 por saca para os produtores rurais.

Segundo o gerente de alimentos básicos da companhia, Wellington Teixeira, se a demanda dos produtores persistir, deverão ser liberados mais recursos.

Teixeira conta que também está em estudo a implementação de um plano para compra de feijão tipo 3 -de qualidade inferior.

Para Brandalizze, seria necessária uma intervenção do governo federal para a compra de 150 mil toneladas a 200 mil toneladas do grão nas regiões produtoras. Com isso, seria retirada do mercado parte do feijão de baixa qualidade. Sem isso, ele estima que o grão deverá levar até 90 dias para ser escoado.

*

Patente Os EUA reconheceram a patente brasileira do método de seleção para o gene Rpp5, que confere resistência à ferrugem asiática da soja. A patente foi concedida à TMG -Tropical Melhoramento & Genética.

Benefícios A descoberta do gene permite ao mercado oferecer cultivares com tecnologia que confere às lavouras benefícios ambientais e econômicos. Além de reduzir o número de aplicações de fungicidas, diminui os custos dos produtores.

Convivência maior Fabiano Siqueri, da Fundação MT, explica que o gene de resistência permite à planta de soja melhores condições para conviver com a doença no campo.

*

Consecitrus faz primeiro encontro formal em SP

O Consecitrus (conselho do setor de citricultura) fez nesta terça (7) a primeira reunião formal. As coisas andaram bem e surpreendentemente a reunião foi positiva, segundo um dos participantes.

Ele relembrou as dificuldades e as acirradas discussões para a formação do conselho. Foi necessária a participação do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica).

O setor busca com o Consecitrus uma referência de preços para a citricultura, além de acertos no direcionamento de outras atividades inerentes ao setor.

A reunião teve a participação de entidades e de indústrias. Ficou acertado um novo encontro, no próximo dia 21, para a inclusão de entidades e para dar sequência ao cronograma de metas estabelecidas pelo Cade.

Com VICTÓRIA MANTOAN

*

ATACADO

Agrícolas pressionam menos a taxa de inflação

Após oito meses em alta, a inflação acumulada em 12 meses dos produtos agrícolas no atacado teve queda em setembro, segundo o IGP-DI. A queda, de 0,52% no período, foi provocada pelo recuo de 0,4% nos preços no mês passado. Soja e ovos estiveram entre as principais quedas.

Fonte: Folha | 08/10/2014 02h00

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *