Vaivém – Dólar a R$ 4,20 incentiva vendas futuras de milho e garante área maior de plantio

Produtores de Mato Grosso já fizeram vendas antecipadas de 40% do milho que vão plantar em fevereiro

Na terra da soja, quem brilha é o milho. O atraso no plantio da safra atual de soja deixou muitos produtores extremamente preocupados. Não sem motivos.

Ao contrário do que ocorre normalmente, as vendas antecipadas de milho chegaram a superar as de soja e, atualmente, se equiparam às da oleaginosa.

Semeado após a soja, um atraso desta poderia fazer com que o produtor perdesse o tempo ideal para plantar do milho.

Ferrnando Muraro, da AgRural, diz que 40% do milho que será plantado em Mato Grosso em janeiro e em fevereiro, e que só será entregue no segundo semestre, já tinha sido vendido em outubro.

Com o dólar a R$ 4,20, esse percentual deverá ser ainda maior no próximo levantamento de dados.

Os ventos foram totalmente favoráveis ao cereal. O Brasil teve uma produção recorde, o dólar elevado sustentou as vendas externas, e o mercado interno, incentivado pelas exportações recordes de carne, assegurou preços ao cereal.

Colheita de milho na fazenda Rio do Sangue, em Brasnorte (MT) – Mauro Zafalon-10.jul.17/Folhapress

O resultado é que, em algumas regiões, como no oeste do Paraná, o lucro por hectare para os produtores de soja foi de R$ 400 a R$ 450. Já o milho rendeu R$ 1.500, segundo Muraro.

Ele credita parte dessa diferença também à quebra de safra de soja e à produção recorde de milho na safrinha.

O cenário é bom para o produtor, mas complicado para a indústria, que chega a pagar ágio para manter parte desse cereal no país.

Dados da AgRural indicavam, nesta terça-feira (19), o preço do milho em R$ 38 no mercado físico de Cascavel (PR). A soja, também beneficiada pelo dólar, estava a R$ 85 por saca.

O milho, um complemento de renda para o produtor, que tem na soja a principal cultura, já começa a ser um ponto de equilíbrio para as finanças no campo, segundo Muraro. Com isso, ele prevê novo aumento na área de plantio do cereal na próxima safra.

O dólar elevado traz mais reais para os agricultores, mas não deixa de ser um fator de preocupação, principalmente para os grandes produtores, que adotam um modelo de financiamento baseado na moeda dos Estados Unidos.

Os custos dos insumos, como adubos e agroquímicos, passam a ser um fator determinante na formação de renda dos produtores, principalmente nos das fronteiras agrícolas.

Uma safra semeada a R$ 4,00 por dólar, como está ocorrendo, será desastrosa para o produtor se a moeda dos norte-americanos recuar para um patamar inferior a R$ 3,50 no período da comercialização do produto.

Esse recuo, porém, não está no radar do mercado financeiro. Pelo menos, por ora.


Transgênicos  O Brasil desbancou os Estados Unidos e assumiu a liderança no plantio de soja geneticamente modificada na safra 2018/19.

Área Os agricultores brasileiros utilizaram a soja modificada no plantio de 34,9 milhões de hectares, acima dos 34,1 milhões dos americanos, segundo dados da Céleres.

Evolução contínua A área total plantada com as culturas transgênicas deverá somar 53 milhões de hectares no Brasil na safra 2019/20, um crescimento de 2,6% em relação à anterior. Nos cultivos de  soja, milho e algodão a participação dos transgênicos será de 93%.

Carnes O cenário de produção para 2020 será incerto, principalmente devido aos efeitos da peste suína africana, mas dará boas perspectivas para alguns países.

Brasil A estimativa é do Rabobank em seu relatório anual sobre proteínas. O de 2020 aponta o Brasil com crescimento em todos os setores. O país será beneficiado não apenas pelas exportações, mas também por um crescimento do consumo interno.

Vaivém das Commodities

Vaivém das Commodities

A coluna é assinada pelo jornalista Mauro Zafalon, formado em jornalismo e ciências sociais, com MBA em derivativos na USP.

Fonte : Folha