Vaivém: Demanda externa por carnes continua aquecida

Os consumidores paulistanos pagaram 7,7% mais pela carne bovina nos quatro primeiros meses do ano. Em igual período de 2013, os preços haviam caído 7,4%.

Os dados são da Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) e refletem a boa demanda interna e a evolução das exportações até abril.

Embora o volume físico das exportações cresça, as receitas são menores para alguns produtos do setor.

O volume de carne bovina exportado de janeiro a abril atingiu 504 mil toneladas, 14% mais ante igual período anterior, segundo dados da Abiec (entidade do setor).

As receitas subiram para US$ 2,2 bilhões, 10% mais do que em igual período anterior. Diante desses números, a Abiec espera vendas recordes neste ano.

As vendas externas de carne de frango também estão aceleradas, quando se trata de volume. No mês passado, foram de 352 mil toneladas, um patamar recorde para os meses de abril, segundo a ABPA (associação do setor).

No acumulado do ano, as vendas externas atingiram 1,3 milhão de toneladas, 15% mais do que as de 2013. Já as receitas caíram para US$ 2,4 bilhões, uma redução de 11% no período.

A demanda interna, somada à externa, vai segurar os preços das carnes, principalmente os da bovina, cuja produção entra na entressafra nas próximas semanas.

Os primeiros dados de maio compilados pela Secex (Secretaria de Comércio Exterior) indicam que o ritmo das vendas externas continua bom. O volume exportado nos seis primeiros dias úteis do mês apontou alta de 19% para a carne bovina em relação a 2013. As vendas das carnes de frango e suína aumentaram 5% e 2%, respectivamente.

Ormuzd Alves/Folhapress

Abatedouro de frango em Cabreúva (SP); procura por carnes segura preços de comercialização no mercado

Abatedouro de frango em Cabreúva (SP); procura por carne segura preço de comercialização no mercado

*

Conselho A Céleres, consultoria de agronegócio, criou um conselho consultivo formado por especialistas nas diversas áreas de pesquisas ligadas ao setor.

Palpiteiros "Seremos mais um grupo de ‘palpiteiros’ nos principais temas do setor", afirma Anderson Galvão, da Céleres.

Números redondos Com a chegada dos EUA a 100 milhões de toneladas de soja, a produção mundial será de 300 milhões em 2014/15, prevê o Usda.

Boi gordo As grandes indústrias saíram do mercado e a arroba de boi, embora com oferta pequena, recuou para R$ 123 em São Paulo, segundo a Informa Economics FNP.

*

Trabalhador do campo envelhece

A população agrícola brasileira envelhece, embora em ritmo menor do que a dos Estados Unidos e a da Europa.

Há dez anos, a população do campo na faixa de 26 a 35 anos somava 20% do total dos produtores, segundo a Associação Brasileira de Marketing Rural & Agronegócio. Uma nova pesquisa mostra que agora são 15%.

Já o percentual de trabalhadores rurais entre 51 e 60 anos subiu de 20% para 25% no mesmo período, enquanto os com mais de 60 anos já somam 18%, acima dos 11% de há uma década.

A pesquisa destaca que aumenta o número de mulheres no comando das propriedades rurais. O percentual saltou de 3%, em 2003/04, para 10% atualmente.

Os trabalhadores do campo têm uma formação melhor –21% têm curso superior, MBA ou pós-graduação. A pesquisa aponta que 39% deles acessam a internet.

*

AGROPECUÁRIA

Produtor paulista recebe mais em abril

O índice quadrissemanal de preços recebidos pela agropecuária paulista encerrou o mês de abril com alta de 3%, segundo o Instituto de Economia Agrícola. A laranja para indústria lidera as altas (32,5%), seguida da batata (30,4%). Tomate, amendoim e carne de frango lideram as quedas.

Fonte: Folha

15/05/2014 02h00

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *