Vaivém – Dados iniciais de produção de milho da Conab assustam

Os números não levam em consideração, ainda, o esperado aumento de área na safrinha

  • A Conab trouxe preocupação para o mercado de milho nesta quarta-feira (13). Pelos dados atuais do órgão, produção e importação caem, enquanto consumo interno e exportação sobem. O resultado seria menos produto no mercado.

  • O consumo interno, em ritmo crescente, deverá ir a 72 milhões de toneladas neste ano, 5% mais. Pelos números atuais, os estoques finais desta safra cairiam para apenas 7,3 milhões de toneladas, 33% menos do que na anterior. Se concretizado, será o menor volume desde 2016.

    Os dados da Conab refletem um cenário apertado porque levam em consideração a queda de produção na primeira safra do cereal, mas ainda não incluem os números do esperado aumento de área na safrinha. Esta, apesar do nome, passou a ser a principal do país em volume produzido.

    A safra de verão, menos importante atualmente, foi afetada por clima ruim, e consequente redução de produtividade. A produção gaúcha deve recuar para apenas 3,6 milhões de toneladas, 37% menos do que era previsto inicialmente.

    Exportações de soja e carne bovina batem recorde mesmo em ano de crise

    No porto de Santos (SP), funcionário do Tiplam (Terminal Integrador Portuário Luiz Antônio Mesquita) descarrega milho que será enviado de navio à China, país que ajudou o agro brasileiro a obter recordes de venda mesmo em ano de crise

    No porto de Santos (SP), funcionário do Tiplam (Terminal Integrador Portuário Luiz Antônio Mesquita) descarrega milho que será enviado de navio à China, país que ajudou o agro brasileiro a obter recordes de venda mesmo em ano de crise Eduardo Knapp/Folhapress

    Quando a empresa incluir em suas previsões as informações da safrinha deste ano, o que deverá ocorrer em fevereiro, esse quadro vai mudar.

    Os preços favoráveis aos produtores levarão a um aumento de área, e a safra total do ano, prevista atualmente em 102 milhões de toneladas, deverá ficar entre 107 a 110 milhões de toneladas.

    Claro que a safrinha ainda é um jogo aberto, segundo um analista do setor. Apesar do atraso no plantio, o potencial de produção, com o aumento de área, fica próximo de 85 milhões de toneladas, mas vai depender do clima.

    É bom que o Brasil realmente eleve a produção interna. O desempenho de seus concorrentes, como Estados Unidos e Ucrânia, não foi bom. Com isso, o produto brasileiro, dependendo do dólar, será bastante disputado.

    O abastecimento nacional contará também com a produção de milho safrinha do Paraguai, semeado basicamente para o abastecimento do Brasil.

    Para evitar preços elevados e eventual falta de produto, as empresas que se utilizam do cereal estão antecipando compras internas e programando importações.

    

    Grãos A produção total do país foi estimada em 265 milhões de toneladas neste ano. Segundo a Conab, haverá evolução de 3% sobre o recorde de 2020.

    Arroz Dados do órgão governamental indicam uma queda de consumo para 10,8 milhões de toneladas neste ano. Um dos motivos é o fim do auxílio emergencial. O consumidor terá menos renda disponível.

    Arroz 2 Uma recuperação da economia também contribuirá para a queda no consumo. Quanto maior a renda, menor o consumo do cereal, segundo os técnicos da Conab.

    Fique em casa A John Deere não participará de eventos presenciais neste ano, inclusive da Agrishow, programada para a segunda quinzena de junho.

    Fique em casa 2 O objetivo é preservar a saúde de todos, principalmente após o avanço atual da pandemia, afirma a empresa. A John Deere, por meio de plataformas, quer combinar o virtual com o real.?

    Vaivém das Commodities

    Vaivém das Commodities

    A coluna é assinada pelo jornalista Mauro Zafalon, formado em jornalismo e ciências sociais, com MBA em derivativos na USP.

    Fonte : Folha

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *