Vaivém – Café "diferenciado" tem ágio de 49% na exportação

Aos poucos, o Brasil deixa para trás a pecha de apenas exportador de café de baixa qualidade e começa a ganhar mercado também no produto de maior valor.

É o que mostram os dados desta quinta-feira (8) do Cecafé (Conselho dos Exportadores de Café do Brasil).

As vendas externas dos cafés chamados diferenciados (os de melhor qualidade) já superam 25% do volume total exportado pelo país.

Foram 6,7 milhões de sacas neste ano, um volume ainda pequeno em relação aos 23,9 milhões de sacas exportadas de janeiro a setembro.

Mas, com exportações próximas dos 36 milhões de sacas por ano, o país sempre vai ter parte do produto com menor qualidade, principalmente devido a clima, manejo da cultura e tipo de colheita.

A participação do café de qualidade vem subindo, e essa melhora do produto brasileiro é repassada para os preços.

O café considerado diferenciado foi comercializado a US$ 226,2 por saca, na média de janeiro a setembro deste ano, com ágio de 49% em relação ao produto considerado natural ou médio.

As exportações de café, incluindo o solúvel e o torrado e moído, atingiram 26,6 milhões de sacas até o mês passado, mesmo patamar registrado em igual período de 2014.

Devido a essa semelhança do volume exportado, as receitas também ficaram estáveis, em US$ 4,6 bilhões, segundo o Cecafé.

O volume exportado em setembro volta a superar os 3 milhões de sacas, 3% mais do que o de igual mês de 2014.

A maior evolução das exportações ocorreu com o café robusta, cujo aumento, em setembro, foi de 34% ante 2014. Já a evolução do café arábica foi de 3% no período.

*

Com venda acelerada, etanol mais caro chega antes neste ano

Pelo quarto mês consecutivo, as vendas de etanol hidratado, feitas pelas usinas do centro-sul, atingiram 1,6 bilhão de litros.

Os preços estão favoráveis em relação aos da gasolina, e a demanda cresce. A produção de hidratado deste ano deverá superar em 6% a do ano passado.

Já a demanda, como mostram os dados de vendas das usinas, está com crescimento de 44% nesta safra.

Em suma, o consumidor vai começar a pagar mais caro pelo etanol bem antes do início da entressafra, período no qual os preços sobem.

Em setembro foi 1,68 bilhão de litros vendidos, segundo dados da Unica (União da Indústria de Cana-de-Açúcar). Esse volume supera em 44% o de setembro de 2014.

As vendas de álcool anidro também crescem e atingiram 1 bilhão de litros no mês passado, 15% mais do que no ano anterior.

Nesta safra, iniciada em abril, as vendas de etanol hidratado somam 9,6 bilhões de litros, ante 6,7 bilhões no mesmo período do ano passado.

As de etanol anidro subiram para 5,4 bilhões de litros, ante 5,3 bilhões de abril a setembro de 2014.

*

Boi A arroba de boi gordo voltou a subir, atingindo R$ 148 no noroeste de São Paulo. Em período de entressafra, a indústria frigorífica aumenta a concorrência pelos animais, segundo a Informa Economics FNP.

Frango Já o preço do frango está em R$ 3 por quilo de ave viva nas granjas paulistas, segundo a JOX Assessoria. Esse é o maior valor desde outubro de 2013 -não inclui a correção inflacionária.

Por Mauro Zafalon

Vaivém das Commodities

Mauro Zafalon é jornalista e, em duas passagens pelaFolha, soma mais de 38 anos de jornal. Escreve sobre commodities e pecuária. Escreve de terça a sábado.

Fonte : Folha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *