Vaivém – Brasil ganha mercado de soja na China, mas perde espaço para EUA na Europa

Desde acentuação da guerra comercial, americanos exportaram 188% mais para europeus

Os Estados Unidos exportaram apenas 68 mil toneladas de soja para a China em agosto. Um volume muito pequeno em relação ao 1,22 milhão e ao 1,92 milhão de toneladas nos meses de agosto de 2017 e de 2016, respectivamente.

Essa queda ocorre devido à guerra comercial entre os dois países, e o Brasil está sendo o grande ganhador com o recuo das exportações americanas.

Carregamento de soja em Campos Lindos (TO)Carregamento de soja em Campos Lindos (TO) – Ueslei Marcelino – 18.fev.18/Reuters

De janeiro a setembro, os brasileiros já exportaram 55,1 milhões de toneladas de soja para a China, 15% mais do que em igual período de 2017.

De janeiro a agosto, as exportações dos EUA para a China caíram para 6,35 milhões de toneladas, 33% menos do que em igual período de 2017.

Os americanos perderam o mercado chinês, mas ganharam o europeu. Nos últimos quatro meses, quando a guerra comercial se acentuou, a Europa importou 188% mais soja dos Estados Unidos.

Nesse caso, foram os americanos que roubaram parte do mercado brasileiro na Europa. A evolução das vendas externas do Brasil para os europeus foi de apenas 7% no período.

O avanço dos americanos no mercado europeu, porém, não dá muito fôlego às exportações daquele país. A Europa tem uma importação restrita, em relação à chinesa.

Os americanos perderam o mercado chinês, mas ganharam espaço em outros países da Ásia. Nessa região, à exceção da China, o Brasil teve retração de 31% nas vendas.

Enquanto não houver uma solução para a guerra comercial entre os dois países, os preços da soja vão ficar contidos na Bolsa de Chicago.

“Sem a China, o mercado perde o dinamismo e tem dificuldades para subir”, diz Daniele Siqueira, analista da Agência Rural.

Os estoques finais de soja dos americanos, que foram de 8,2 milhões na safra 2016/17, subiram para 11,9 milhões em 2017/18. Aumento de produção e dificuldades nas exportações deverão elevar esse volume para 24,1 milhões de toneladas no período 2018/19.

Na avaliação de Siqueira, o mercado pode até ter períodos de alta, como o ocorrido nesta segunda-feira (15), mas será provocado por questões pontuais de mercado.

Nesta segunda, o contrato de novembro fechou a US$ 8,9150 por bushel na Bolsa de Chicago, 2,5% mais do que na sexta-feira (12).

Queda do dólar, antecipação do período de neve em algumas regiões dos Estados Unidos —o que atrasa a colheita— e esmagamento interno maior da oleaginosa permitiram a alta de preço.

VANTAGENS DO BIODIESEL

A mistura do biodiesel ao diesel tem um componente importante: o da estabilidade de preços do combustível renovável. A avaliação é de Daniel Furlan Amaral, da Abiove (Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais).

Os leilões para a definição dos preços do biodiesel ocorrem a cada dois meses e têm transparência. São feitos por meio de leilões públicos, nos quais há uma competição de valores entre usinas produtoras e distribuidoras, afirma ele.

A partir de março de 2019, a mistura deverá ser de 11%.

Agrotóxicos De 2011 a 2016, houve aumento acentuado no consumo de agrotóxicos em alguns países da Europa. O maior crescimento ocorreu na Áustria, cujas vendas subiram 27% no período.

Líderes A França, uma das principais produtoras agrícolas da Europa, teve aumento de 17%. França, Alemanha, Itália e Espanha concentraram 50% das vendas de agrotóxicos de 2016, segundo dados da União Europeia.

Mulheres no campo Pesquisa da Corteva Agriscience, do setor de agronegócio, apontou que o rendimento das mulheres que trabalham no campo no Brasil cobrem mais as despesas da família do que em vários países.

Melhor do que nos EUA No Brasil, 23% das mulheres que trabalham no campo disseram que os salários não são suficientes para garantir os gastos familiares. Nos EUA, são 37%. Na China, 5%.

Vaivém das Commodities

Vaivém das Commodities

A coluna é assinada pelo jornalista Mauro Zafalon, formado em jornalismo e ciências sociais, com MBA em derivativos na USP.

Fonte : Folha