Vaivém – Agropecuária injeta volume recorde de dinheiro na economia

Impulsionado pela soja, o Valor Bruto de Produção deverá somar R$ 1,1 trilhão neste ano

    O ano será mais um período em que a agropecuária injetará muito dinheiro na economia, apesar do efeito da seca em algumas lavouras, como na do milho.

    O Valor Bruto da Produção será de R$ 1,1 trilhão dentro da porteira, segundo José Garcia Gasques, coordenador da pesquisa e de Avaliação de Políticas e Informação do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento.

    Cinco produtos vão obter um volume real de receitas jamais registrado antes: soja, milho, carne bovina, algodão e trigo. Apenas a soja renderá R$ 353 bilhões.

    Colheita de milho na zona rural de Planaltina, região administrativa do DF

    Colheita de milho na zona rural de Planaltina, região administrativa do DF Pedro Ladeira/Folhapress

      O impulso das receitas na agropecuária vem do volume e dos preços. A safra de grãos atinge 271 milhões de toneladas, e os preços dos principais produtos estão em patamares recordes, sustentados pela demanda externa e pelo câmbio.

      Os números dos dois últimos anos do VBP nacional mostram o quanto aumentou o volume de dinheiro no campo.

      Preços altos e demanda intensa devem elevar as receitas das lavouras deste ano para R$ 741 bilhões. Em 2018, todo o VBP, incluindo lavouras e pecuária, somava R$ 806 bilhões.

      Assim como as lavouras, a pecuária também teve forte evolução nos últimos anos, puxada principalmente pelo setor de bovinos.

      Os dados desta quinta-feira (13) do Ministério da Agricultura indicam que a pecuária deverá obter receitas de R$ 335 bilhões neste ano. A bovinocultura lidera, com R$ 152 bilhões, seguida de avicultura e de leite.

      Alguns setores, porém, não conseguem manter o mesmo ritmo que obtiveram em 2020. O principal deles é o café, que terá redução de 23% nas receitas deste ano.

      Os produtos voltados para o mercado interno, e que não têm o atrativo das exportações e da força do câmbio, também terão perdas de receitas. É o que ocorre com feijão e mandioca.

      O VBP mostra uma concentração de produtos e de centros produtores. Pelo menos 59% das receitas do campo vêm apenas de soja, milho e bovinos. Já Mato Grosso e Paraná concentram 31% das receitas agropecuárias do país.

      Os valores do VBP apurados pelo Ministério da Agricultura originam do volume produzido e dos preços obtidos pelos produtores. São considerados os 22 principais itens dos setores de lavouras e da pecuária.

      Ajustes nos EUA As commodities agrícolas tiveram um dia de ajustes na Bolsa de Chicago, com forte redução nos preços de negociações. O mercado fez um movimento de realizações de lucros.

      Efeitos aqui O comportamento dos preços em Chicago influenciou o mercado interno. A soja chegou a cair até R$ 5 por saca em algumas regiões do país, segundo a AgRural. No porto de Paranaguá, a oleaginosa esteve em R$ 179, e o milho recuou para R$ 96.

      A coluna é assinada pelo jornalista Mauro Zafalon, formado em jornalismo e ciências sociais, com MBA em derivativos na USP.

      Vaivém das Commodities

      Fonte : Folha

      Deixe uma resposta

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *