Vaivém: Carnes reagem e Dia das Mães torna o churrasco mais caro

Após quedas em abril, preços sobem nesta semana e dão um certo alívio aos produtores

O isolamento social não permite aglomerações neste período de pandemia, provocada pelo coronavírus. Mesmo com os transtornos trazidos pela doença, no entanto, quem se arriscar a fazer um churrasquinho gastará mais com as carnes.

A indústria pelo menos está se preparando para isso, aumentando as compras de animais no campo. O resultado é uma movimentação maior nas vendas dos produtores, o que resulta em acertos de preços. Estes estiveram em queda em abril.

Heloísa Xavier, da Jox Consultoria, diz que o setor de proteínas vive uma transição nestes dias. A conjugação de vários fatores, como o início de mês, a semana de pagamento de salários, o auxílio emergencial e o Dia das Mães, deu um ânimo novo ao mercado.

As perspectivas são boas, mas o maior desafio de produtores e das indústrias é qual será a reação dos consumidores internos nas próximas semanas. Parte está recebendo o auxílio emergencial. Outros, porém, estão perdendo o emprego e ficando sem renda.

O cenário é de incertezas e só um dia após outro vai indicar o comportamento do mercado interno no curo prazo, segundo ela. Já no externo, a demanda por proteínas continua boa, principalmente a vinda da China.

Para Heloísa, as indústrias apostam nas vendas, principalmente nesses dias que antecedem o Dia das Mães. A evolução dos preços e dos estoques da asinha de frango, um complemento à carne bovina no churrasco, indica que indústria e varejo esperam vendas melhores.

Já a suinocultura eleva a oferta de pernil, típico de festividades como o Dia das Mães, e aguarda um aumento de vendas de produtos usados na feijoada, típica desses dias de frio, afirma ela.

Para o Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), o coronavírus afetou pouco a bovinocultura, mas as perspectivas do setor são incertas.

O confinamento de gado, devido à Covid-19 e à alta nos custos de produção, deverá ser menor no segundo semestre, reduzindo ainda mais a oferta.

Para analistas do Itaú BBA, os próximos meses serão desafiadores para as proteínas, que terão alta nos custos de produção e demanda interna menor.

Vaivém das Commodities

A coluna é assinada pelo jornalista Mauro Zafalon, formado em jornalismo e ciências sociais, com MBA em derivativos na USP.

Fonte: Folha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *