Usina Guarani contém avanço da moagem

Ana Paula Paiva/Valor / Ana Paula Paiva/Valor
"Nosso foco continua sendo o aumento da produtividade dos canaviais", afirmou Jacyr Costa Filho, do grupo Tereos

A Guarani, empresa sucroalcooleira controlada pela francesa Tereos Internacional, prevê processar em 2014/15 cerca de 21 milhões de toneladas de cana-de-açúcar, 5% acima do realizado neste ciclo 2013/14. Em evento para analistas ontem em São Paulo, o diretor de açúcar e etanol do grupo controlador (Tereos), Jacyr Costa Filho, disse que a empresa até teria condições de elevar o volume de cana processado no ano que vem, mas optou por não avançar mais, para encurtar a duração da safra. "Adiaremos o início do ciclo 2014/15 do início de abril para a segunda metade do mesmo mês", afirmou o executivo.

A estratégia, segundo ele, visa reduzir custos e aproveitar o período "ótimo" de moagem, compreendido entre maio e novembro, quando os canaviais costumam render mais peso e teor de açúcar.

Assim, se confirmado, o crescimento para o ano que vem será menor que o registrado nesta safra 2013/14 na comparação com a 2012/13, quando o volume processado de cana aumentou 9,9%, saindo de 18,2 milhões para 20 milhões de toneladas.

Na busca por elevar a eficiência da operação, a Guarani também está colocando o pé no freio em investimentos que não sejam prioritários. "O foco continua sendo elevar a produtividade dos canaviais", disse o executivo. Essa estratégia já ficou evidente no primeiro semestre desta safra 2013/14. Entre maio e setembro deste ano, os investimentos operacionais nas usinas de cana caíram 6,6% na comparação com igual intervalo de 2012, para R$ 279 milhões.

O executivo afirmou que a produtividade dos canaviais da empresa vem subindo devido ao clima mais favorável e à adoção de algumas técnicas agrícolas. De maio a setembro deste ano, o rendimento da cana nas usinas da Guarani subiu para 95 toneladas por hectare, ante as 83 toneladas por hectare registradas em igual intervalo do ano passado.

O executivo disse não ter projeções para os preços do açúcar e do etanol no ano que vem, mas espera que a venda de eletricidade produzida a partir do bagaço da cana cresça 41% em 2014/15. A estimativa da empresa é vender 1.100 gigawats/hora na próxima temporada, ante as 780 GWh de 2013/14. "Os investimentos em cogeração estão sendo concluídos neste ano com a finalização das obras na unidade Tanabi (SP). No próximo, não teremos novos aportes em expansão", informou Costa.

Com sete usinas de cana no Estado de São Paulo, a Guarani teve no trimestre encerrado em 30 de setembro receita líquida de R$ 591 milhões, 12% acima da registrada em igual intervalo do ano passado. A companhia tem como sócia a Petrobras Biocombustível, que em outubro deste ano fez mais um aumento de capital na sucroalcooleira de R$ 225,1 milhões. Com isso, elevou sua participação a 39,6%. Até 2015, essa fatia deve subir a 45,7%.

© 2000 – 2013. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/agro/3369638/usina-guarani-contem-avanco-da-moagem#ixzz2nGAkbCVK

Fonte: Valor | Por Fabiana Batista | De São Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *