UE vai propor impulso à economia verde e integradora no Rio+20

A União Europeia (UE) vai propor avançar na direção de uma economia de respeito ao meio ambiente e socialmente integradora em nível mundial na próxima Conferência da ONU sobre Desenvolvimento Sustentável Rio+20.

"Criar uma economia verde e integradora para a construção de um desenvolvimento sustentável", essa é a receita que a UE defenderá no Rio+20 para enfrentar os desafios impostos pela pobreza e a mudança climática, explicou nesta quinta-feira a ministra do Meio Ambiente dinamarquesa, Ida Auken, em entrevista coletiva.

Auske, a anfitriã do conselho informal de ministros do Meio Ambiente que começou ontem e se estende até hoje em Horsens (Dinamarca), destacou a importância de abordar de maneira conjunta os aspectos sociais, econômicos e ambientais para conseguir soluções, já que estes são "inseparáveis".

Europa acode à reunião, que ocorrerá entre os dias 20 e 22 de junho no Rio de Janeiro, disposta a conseguir avanços e ouvir todas as propostas, declarou de Auken.

Em particular, os 27 terão de negociar com o bloco de países latino-americanos que, liderados pela Colômbia, colocaram na mesa suas próprias iniciativas que põem o acento no conteúdo social e na erradicação da pobreza.

"O conceito é próximo, já que a UE fala de economia verde integradora, não estamos falando somente do meio ambiente e economia, também percebemos as consequências sociais e de justiça que têm estas políticas", acrescentou.

Para o secretário de Estado do Meio Ambiente espanhol Federico Ramos, que ostenta a Presidência do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), o acordo é possível se "todos trabalhamos por ele" e considerou que o enfoque europeu em sua aposta pela economia verde pode ser uma ponte rumo ao acordo com seus sócios latinos.

Bruxelas estabeleceu uma lista com cinco prioridades para as negociações do Rio+20: o uso eficiente dos recursos e a gestão dos resíduos, a terra e a biodiversidade, a energia, os oceanos e a água; os "pilares da vida", em palavras do comissário do Meio Ambiente europeu, Janez Potocnik.

Potocnik se mostrou realista antes que otimista face ao encontro devido à relevância da crise econômica e financeira, mas destacou a importância da sustentabilidade.

Outra questão que está na mesa do Rio+20 é o estabelecimento de metas e objetivos concretos sobre desenvolvimento sustentável por parte da comunidade internacional, uma ideia que Potocnik é favorável, mas sobre a qual existe pouco consenso.

O secretário de Estado espanhol assinalou que existe interesse por adotar este tipo de medidas, mas que ainda há muitas resistências e problemas por parte de vários países que tornam difícil que se alcance acordo neste sentido em Rio+20.

De qualquer maneira, Ramos destacou que os países europeus têm claro que da conferência "tem de sair uma mensagem de compromisso em direção ao desenvolvimento sustentável" e que trabalhará por isso.

Fonte: Terra