UE refuta estudo que relaciona transgênico a câncer

A americana Monsanto obteve ontem uma importante vitória no debate sobre a segurança de uma de suas variedades transgênicas de milho. Em um pronunciamento preliminar, a Autoridade Europeia de Segurança Alimentar (EFSA, na sigla em inglês) desqualificou o estudo segundo o qual o consumo do grão geneticamente modificado oferece riscos à saúde humana.

O estudo em questão, publicado há três semanas na revista científica "Food and Chemical Toxicology", apontou que ratos alimentados com a variedade de milho NK 603, da Monsanto, e expostos ao herbicida glifosato apresentaram maior incidência de câncer e outras doenças graves. O grão é geneticamente modificado para resistir à aplicação do glifosato, uma substância usada no combate a ervas daninhas.

A conclusão teve grande repercussão na União Europeia, sobretudo na França, país que lidera a oposição ao plantio de transgênicos no bloco. Também sob influência da publicação, a Rússia anunciou a suspensão das importações do milho transgênico.

A EFSA declarou, porém, que o estudo liderado por um pesquisador da Universidade de Caen, na França, não é "cientificamente sólido" e que sua qualidade é "insuficiente para ser considerado como válido para avaliação de risco". Por isso, não vê necessidade de reavaliar o status de segurança da variedade.

Segundo a EFSA, o trabalho possui problemas metodológicos, que invalidam seus achados. O órgão vai publicar uma nova análise em breve, levando em consideração informações adicionais fornecidas pelos autores. (Com Dow Jones Newswires)

© 2000 – 2012. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/empresas/2856368/ue-refuta-estudo-que-relaciona-transgenico-cancer#ixzz28QeRWhKz

Fonte: Valor | Por Gerson Freitas Jr. | De São Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *