"Tudo sob controle", diz ministro sobre caso suspeito de vaca louca

Neri Geller afirmou que medidas foram tomadas com rapidez e firmeza.
Ainda descartou embargos à carne pela comunidade internacional.

Leandro J. NascimentoDo G1 MT

Comente agora

Ministro da Agricultura, Neri Geller durante evento em Mato Grosso (Foto: Reprodução/TVCA)Ministro da Agricultura, Neri Geller durante evento
em Mato Grosso (Foto: Reprodução/TVCA)

Em sua primeira visita a Mato Grosso desde que a investigação sobre um caso atípico de vaca louca no Estado foi divulgada, o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Neri Geller, afirmou que o sistema de defesa agropecuária agiu rápido na identificação do animal que apresentou os sintomas Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB), conhecida como o mal da vaca louca, no dia 19 de março, em um frigorífico no município deSão José dos Quatro Marcos.

"Está tudo sob controle, rigorosamente funcionando. O Mapa, junto com o Indea (o órgão de defesa sanitária do Estado) fizeram todos os levantamentos e os resultados dos exames devem sair na quinta-feira (1º)", afirmou Geller, durante passagem pelo município de Sorriso, a 420 quilômetros de Cuiabá, nessa terça-feira (29).

saiba mais

A confirmação da suspeita para a doença depende da conclusão de análise conduzida em um laboratório referência da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), em Weybridge, na Inglaterra. No último sábado (26), 49 animais que tiveram contato com a fêmea doente foram abatidos em cumprimento de normas internacionais de sanidade. Eles eram criados na mesma fazenda em Porto Esperidião, no sudoeste mato-grossense.

"Estamos jogando rápido, firmes. Diferente de outros casos que aconteceram, em 30 dias estava tudo sob controle", disse Geller, em uma referência a todos os processos realizados. A fala também remete ao caso não clássico de vaca louca ocorrido em um bovino no Paraná em 2010, mas só confirmado dois anos depois.

Ainda em Mato Grosso o ministro descartou quaisquer embargos ao comércio brasileiro da carne. Disse que não houve reações pela comunidade internacional. "Nenhum pé atrás porque [o Brasil] agiu rápido e com bastante firmeza. O que temos recebido são elogios da comunidade internacional, tendo em vista a rapidez com que o governo federal tem agido", pontuou o titular da Pasta.

A OIE mantém o Brasil com status de risco insignificante para o mal da vaca louca.

Fumaça indica a incineração dos bovinos abatidos em frigorifico. (Foto: Leandro J. Nascimento/G1)Fumaça indica a incineração dos bovinos abatidos em frigorifico no último sábado (26) em São José dos Quatro Marcos. (Foto: Leandro J. Nascimento/G1)

Fonte: Globo Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *