Tribunal estende para não associados decisão que beneficia entidade

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) entendeu que o direito obtido por meio de uma ação coletiva pode ser usufruído por pessoas não associadas à entidade no momento em que a ação foi proposta na Justiça. Para advogados, apesar de o posicionamento não ser novo na Corte, ele é distinto daquele adotado pelo Superior Tribunal Federal (STF) em um caso semelhante julgado recentemente pela Corte.

No processo analisado pela 1ª Turma, a autora discutia o direito a diferenças salariais após uma ação coletiva ajuizada pela Associação dos Escrivães de Santa Catarina transitar em julgado de forma favorável à entidade de classe. Ela entrou com processo de execução, apesar de não estar associada à entidade na data em que o processo foi proposto.

Tanto em segunda instância quanto no STJ, a autora do processo obteve o direito de receber o que alegava ser devido. Na Corte superior o placar foi apertado, com três votos a dois a favor da autora do processo.

Para o relator do caso no STJ, Napoleão Nunes Maia Filho, a limitação em ações coletivas poderia gerar discriminação, pois as categorias profissionais são maiores do que o número de associados. Em uma decisão monocrática (concedida por um único magistrado) de outubro, o ministro defendeu que "se o que se tutela são direitos pertencentes a toda uma coletividade, não há como nem porque estabelecer limites subjetivos ao âmbito de eficácia da decisão".

O ministro Ary Pargendler, que participou do julgamento, entendeu, entretanto, que a possibilidade é vetada pela Lei nº 9.494, de 1997. Pela norma, as petições iniciais em ações coletivas devem ter a relação de todos os associados.

Durante a sessão, foi citado ainda que um recente julgamento do STF seria contrário à possibilidade de extensão do direito a não associados. O caso foi analisado em maio pela Corte, que decidiu por cinco votos a três que para ter direito a indenizações em ações coletivas, os associados devem ter autorizado expressamente a entidade a ajuizar o processo.

Segundo a advogada Adriana Conrado Zamponi, do Siqueira Castro Advogados, apesar das diferenças entre os entendimentos das cortes superiores, a decisão do STJ segue o que o tribunal vem entendendo em casos similares. "A decisão do STF causou estranheza", diz.

A advogada Mariana Denuzzo, do Brasil Salomão e Matthes Advocacia, concorda. "A associação não visa o interesse exclusivo dela, mas o interesse daqueles que fazem parte daquela categoria", afirma.

© 2000 – 2014. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/legislacao/3570454/tribunal-estende-para-nao-associados-decisao-que-beneficia-entidade#ixzz33U6NB9eG

Fonte: Valor | Por Bárbara Mengardo | De Brasília

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *