Trem asiático

Se a suinocultura gaúcha teve algum benefício com o embargo russo, foi o de ampliar o seu portfólio de clientes. Sem poder contar com seu principal comprador externo, o setor acabou conquistando novos consumidores, como a Ucrânia, e passou a dedicar mais atenção ao seu principal mercado o interno. É certo que existem dificuldades logísticas para abastecer o centro do país com preços competitivos, dadas as longas distâncias. Mas esse público precisa ser atendido, ainda que isso implique margens de lucro menores. A Argentina, mais próxima, poderia ser uma excelente alternativa para os suinocultores gaúchos. Mas o vizinho muy amigo restringe por todos os meios as importações. A Ásia, com seu vasto potencial de consumo, desponta, assim, como a mais promissora esperança para a carne suína brasileira. Outros Estados investem nessa opção. Seria bom se o Rio Grande do Sul pudesse pegar uma carona nesse trem.

Fonte: Zero Hora | OLHAR DO CAMPO | Irineu Guarnier Filho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *