Trabalho e previdência – Setor agropecuário da Bahia mais uma vez tem saldo positivo na geração de empregos

 

Salvador / Bahia (27/04/2016) – De acordo com as informações do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), sistematizados pela SEI – Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia, três setores contrataram trabalhadores celetistas:  Administração Pública (+920 postos), Agropecuária (+704 postos) e Construção Civil (+4 postos).

Ainda assim, a Bahia contabilizou um saldo negativo de 4.803 postos de trabalho com carteira assinada em março de 2016. Tal resultado expressa a diferença entre o total de 50.588 admissões e 55.391 desligamentos.

Setorialmente, em março, cinco segmentos contabilizaram saldos negativos:

·         Comércio (-3.085 postos),

·         Serviços (-1.630 postos),

·         Indústria de Transformação (-1.547 postos),

·         Extrativa Mineral (-103 postos) e

·         Serviços Industriais de Utilidade Pública (-66 postos).

Acumulado do Ano – No acumulado dos três últimos meses, a Bahia apresentou um saldo de emprego da ordem de -11.726 postos de trabalho, isso levando em conta a série ajustada, que incorpora as informações declaradas fora do prazo. Este resultado fez com que a Bahia ocupasse a vigésima primeira posição no país e o sexto lugar no nordeste no que diz respeito a geração de empregos.

Análise Municipal – Entre os municípios com mais de 30 mil habitantes que tiveram os menores saldos de empregos, em março de 2016, ressaltam-se Salvador (-2.201 postos), Lauro de Freitas (-1.224 postos) e Camaçari (-480 postos). Em contrapartida, Dias D´Ávila (+392 postos), Alagoinhas (+290 postos) e Luis Eduardo Magalhães (+274 postos) se destacaram na criação de novas oportunidades de trabalho formal na Bahia.

Federação da Agricultura e Pecuária do Estado da Bahia – FAEB, com informações da Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia

Fonte : Canal do Produtor