TEMPO – Dezembro deve ser de chuvas regulares e maior frequência de frentes frias no Brasil

Último mês do ano terá chuvas acima da média em partes das regiões Sul e Sudeste, trazendo alívio para a safra de verão

 soja grãos plantação chuva tempestade lavoura (Foto: Getty Images)

(Foto: Getty Images)

*Publicado originalmente na edição 422 de Globo Rural (Dezembro/2020 e Janeiro/2021)

A expectativa para dezembro é de uma maior frequência de frentes frias e de que os fluxos de umidade retornem ao centro-sul do país. O último mês do ano será de chuvas acima da média em partes das regiões Sul e Sudeste, trazendo alívio para a safra de verão.

Já nas áreas no centro-norte do país, como parte da Região Centro-Oeste, da Região Norte e da Região Nordeste, o que predomina é chuva abaixo da média histórica. No Sul, a previsão é que os fluxos de umidade atinjam grande parte do território.

A expectativa é de que os volumes de chuva fiquem acima da média no Paraná e em Santa Catarina. Já no Rio Grande do Sul, a previsão é de chuvas abaixo da média, o que pode prejudicar as lavouras de soja. Além disso, as temperaturas ficam acima da média em toda a região.

No Sudeste, as chuvas deverão retornam em toda a região. Apesar disso, a previsão é que o centro-norte de Minas Gerais tenha precipitações abaixo da média. Todas as áreas dos outros Estados têm chuvas acima da média, beneficiando principalmente os cafezais, que passaram por uma longa estiagem. Para a Região Centro-Oeste, as chuvas típicas do período úmido ocorrem em todas as áreas e as altas temperaturas predominam.

O cenário no centro-norte de Goiás e no norte de Mato Grosso será de precipitações abaixo da média histórica, podendo impactar negativamente as culturas de verão. Nas outras áreas, a boa notícia é que a chuva fica entre a média e acima da média histórica.

No nordeste brasileiro, a expectativa é que as áreas do litoral norte dos Estados tenham chuvas acima da média histórica. Na Bahia e no interior da região, a previsão é de precipitações abaixo da média.

O início da safra de verão teve bons volume sde chuva, porém, em dezembro ainda não retornarão de forma regular para o interior da região e o tempo continuará seco. No Norte ,a expectativa é a de que as chuvas se espalhem por toda a região.

Os temporais de verão são comuns nesta época. Assim, a previsão é que Pará, Rondônia e Acre tenham chuvas acima da média histórica. Nos demais Estados, a previsão fica entre a média e ligeiramente abaixo. Os produtores do Maranhão e Tocantins seguem animados com o cultivo da soja, e os volumes previstos para dezembro irão favorecer o desenvolvimento das lavouras.

Verão com La Niña

As temperaturas do Oceano Pacífico estão em limiares de La Niña. Apesar disso, este ano as condições do Oceano Atlântico favorecem padrões climáticos que não são típicos de La Niña, como os bons volumes de chuva para o sul do país em dezembro.

Segundo as últimas atualizações dos órgãos de meteorologia, estamos, neste momento, com a presença de uma La Niña forte, mas essa condição não deverá perdurar até o final do verão. A previsão indica que a temperatura do oceano deve começar a subir devagar já a partir da metade de dezembro.

As regiões Sudeste e Sul têm chuvas acima da média em dezembro. O Nordeste tem predominantemente precipitações abaixo da média. No Centro-Oeste, a previsão também é de volumes acima da média. No Norte, as chuvas ficam próximas ao histórico.

TATIANE CRAVO

Fonte : Globo Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *