Tempestade em taça de vinho

A guerra do vinho, como está sendo chamada a briga de chefs e importadores do centro do país contra as vinícolas gaúchas, é uma tempestade em taça de vinho. Uma bobagem que só ganhou destaque por conta da repercussão desproporcional nas redes sociais. Reservas de mercado não são boas para nenhum setor da economia. Quem não lembra das carroças da indústria automobilística ou dos computadores jurássicos dos tempos pré-abertura do mercado brasileiro? A qualidade dos vinhos brasileiros cresceu extraordinariamente desde que o setor se expôs à concorrência com os importados. Por outro lado, salvaguardas são instrumentos admitidos pela Organização Mundial do Comércio (OMC) para equilibrar as relações comerciais entre os países, sempre que um setor se sente fortemente ameaçado pela invasão de similares estrangeiros. São medidas legais e temporárias. O Brasil tem sido vítima de várias, em produtos como aviões, carnes suína, bovina e de frango, suco de laranja… Faz parte do jogo.

Fonte:  Zero Hora | OLHAR DO CAMPO | Irineu Guarnier Filho

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.