Temor com pandemia cancela Expointer 2020

Decisão entre governo e copromotores encerra discussão sobre realização do maior evento do agronegócio gaúcho

Após semanas de discussão e uma mudança de data mal recebida por entidades do agronegócio, o governo do Estado, em conjunto com as instituições copromotoras, decidiu cancelar a edição da Expointer deste ano.

A decisão foi divulgada em nota da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), e foi tomada em conjunto com a Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul), Organização das Cooperativas do Estado (Ocergs), Sindicato das Indústrias de Máquinas e Implementos Agrícolas do Estado (Simers), Federação dos Trabalhadores na Agricultura no Estado (Fetag), Federação Brasileira das Associações de Criadores de Animais de Raça (Febrac) e o município de Esteio, entidades copromotoras do evento, após videoconferência na tarde desta quinta-feira.

A nota destaca que, apesar do cancelamento da feira, "provas técnicas de associações de produtores e atividades de julgamento de animais serão prioritariamente consideradas, observados os protocolos de saúde pública e sem a participação de público visitante". É o caso da premiação Freio de Ouro, concedida pela Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos (ABCCC).

Há menos de 15 dias, em 18 de junho, a Seapdr informou a nova data da Expointer deste ano, entre 26 de setembro e 4 de outubro. Normalmente, a Expointer começa na última semana de agosto. Era uma tentativa de realizar o evento em uma situação mais favorável, com a pandemia teoricamente controlada.

Entretanto, mesmo o governador Eduardo Leite, naquela semana, deixou aberta a possibilidade de cancelamento: "a Expointer só vai acontecer se tivermos absoluta segurança de que não estaremos expondo as pessoas a um risco elevado de contágio ao coronavírus".

"A decisão de cancelar a Expointer foi unânime, durante videoconferência realizada com todas as associações copromotoras", informa o secretário estadual de Agricultura, Covatti Filho, e levou em conta o temor de que, mesmo prevista e organizada para final de setembro e início de outubro, o público poderia não comparecer em número que justificasse o evento. "Os outros promotores da feira manifestaram o receio que vinha do Interior, do produtor rural. As entidades nos trouxeram essa preocupação e se decidiu que, não sendo possível uma feira grandiosa, era melhor cancelar", complementa Covatti.

Fonte: Jornal do Comércio