Tecnologia reduz perdas na colheita de cana-de-açúcar

Fonte: O ESTADO DE S. PAULO – SP

Com novo sistema de corte proposto por pesquisadores do IAC quantidade de soqueiras arrancadas é menor.

Após dez anos de pesquisas, o instituto agronômico(IAC-Apta),da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, desenvolveu uma tecnologia para diminuir perdas na colheita mecanizada de cana-de-açúcar.

Com a substituição do tradicional sistema de corte de base da cana, feito com lâminas retangulares e corte por impacto, por um com lâminas serrilhatidade de soqueiras arrancadas.

A substituição do corte por impacto pelo corte por deslizamento, associada ao uso de lâminas serrilhadas, reduz os danos na soqueira e na cana colhida?, diz o pesquisador do Centro de Engenharia e Automação do IAC, Roberto da Cunha Mello.

O dano na soqueira reduz a produtividade da próxima safra e facilita o ataque de microrganismos. E o dano na cana colhida aumenta as perdas de matéria-prima e acelera seu processo de deterioração.

Classificação.

Nos testes de campo feitos pelo IAC, depois da colheita, as soqueiras foram classificadas como intactas, semi abaladas,abaladas e arrancadas. Pelo sistema de corte convencional, 54,3% das soqueiras mantiveram-se intactas.

Com o sistema de corte desenvolvido pelo IAC, esse índice chegou a 71,5%.

Mello explica que as colhedoras convencionais cortam a cana na base por impacto, usando um disco rotativo com múltiplas lâminas.

O rolo defletor empurra a cana para frente antes de cortá-la, e a deflexão e o corte de base são responsáveis por danos na soqueira e na cana colhida, explica.

É como cortar um tomate com um único golpe de faca. Para diminuir danos no fruto, melhor é usar uma faca de serrinha.

Outra vantagem para o produtor, segundo ele, é a maior durabilidade das lâminas, que sofrem menor desgaste por ser possível colhera cana levemente acima da superfície do solo.

"Enquanto as lâminas convencionais têm de ser trocadas diariamente, as serrilhadas duram em média seis dias. O investimento na troca das lâminas é compensado pela maior durabilidade do novo sistema."

Fernanda Yoneya

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *