Taxa cambial mantém alta de custos e preços

Indicadores de julho estão acima do IPCA e IPCA Alimentos

O IICP (Índice de Inflação dos Custos de Produção) de julho teve uma alta de 1,50% em relação a junho. O IIPR (Índice de Inflação dos Preços Recebidos pelos Produtores Rurais) também registrou inflação, com 6,42% no mesmo período. Em ambos indicadores a variação cambial teve influência no resultado.

As informações foram divulgadas pela Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul) nesta quinta-feira.

No caso do IICP, a recuperação do preço do petróleo, que segue sua trajetória de alta, também teve participação no resultado.

No acumulado do ano, o indicador registra 4,11%, ficando acima do IPCA que ficou em 0,46%. A taxa cambial de 29% acumulada em 2020 foi o principal motivo da alta do índice.

Ele só não foi maior em razão da queda de 50% no preço do petróleo no mesmo período. A tendência é de recuperação nos valores dos combustíveis e a manutenção da alta taxa cambial fazendo com que os custos se mantenham em trajetória de aceleração.

Em relação ao IIPR, a taxa cambial e o bom desempenho das exportações refletiram nos preços da soja, arroz e suínos.

Em 2020, o índice já acumula 32,13% e em 12 meses, 47,48%.

Neste ano o IPCA Alimentos chegou a 4,10% e em 12 meses, 7,61%. A diferença ocorre porque, além dos fatores que impactam no IIPR, a baixa atividade econômica em decorrência das medidas de combate à pandemia afeta muitos produtos que compõe a cesta do IPCA Alimentos.

Fonte: Jornal do Comércio

Compartilhe!