Tarso dá apoio a pequenos produtores

Fonte: Jornal do Comércio

Via Campesina quer ajuda do governo para o passivo de R$ 5 bilhões

MARCELO G. RIBEIRO/JC
Governador se juntou aos manifestantes em ato em frente ao Palácio Piratini.
Governador se juntou aos manifestantes em ato em frente ao Palácio Piratini.

Os cerca de 3 mil agricultores ligados ao movimento Via Campesina encerraram nesta quinta-feira mobilização em Porto Alegre pela renegociação de dívidas agrícolas vencidas. Os manifestantes, que haviam acampado em frente ao prédio do Ministério da Fazenda, na avenida Loureiro da Silva, marcharam até a frente do Palácio Piratini, onde entregaram uma pauta de reivindicações ao governador Tarso Genro.
Segundo os organizadores do movimento, os produtores gaúchos possuem R$ 5 bilhões em dívidas vencidas com o governo federal. Em todo o País, a estimativa é que os débitos alcancem R$ 30 bilhões, sendo R$ 8 bilhões já vencidos. A proposta dos integrantes da Via Campesina é reunir os contratos em uma única dívida, que seria parcelada em 20 anos.
Durante o ato em frente ao Palácio Piratini, o governador se juntou à manifestação, chegando a vestir o boné do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Tarso observou o fato de que o Rio Grande do Sul concentra 65% dos endividamentos de pequenos agricultores com o governo federal e destacou que isso significa que o Estado dá espaço a essa modalidade, mas, também, que algo está errado. "Reconhecemos isso ao anistiar os pequenos agricultores", lembrou. Em janeiro deste ano, o governo do Estado perdoou dívidas de até R$ 2.760,48 dos produtores rurais.
Tarso se comprometeu, ainda, em contatar o secretário-geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, para visitar o Estado a fim de debater soluções para o problema. A promessa foi comemorada pelos organizadores do evento. "Assim poderemos mostrar ao governo federal a amplitude desse endividamento, que é mais grave no Rio Grande do Sul do que no resto do Brasil", comentou Isaías Vedovatto, membro da direção estadual do MST.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *