TABELAMENTO – Relator da MP dos fretes tenta votar projeto na Câmara nesta terça

Setor agrícola prevê uma queda de 10% no volume a ser embarcado de milho, que não está sendo negociado

Foto: USP Imagens

A medida provisória 832/2018, que instituiu preços mínimos para o frete, poderá ser votada nesta terça-feira, dia 10, na Câmara dos Deputados, apesar de estar prevista para a quarta, 11.

Mesmo sem estar na ordem do dia da Casa, o relator da matéria, deputado Osmar Terra (MDB-RS), disse que tentará votar a MP ainda nesta terça. Ele busca um acordo com representantes das empresas, principalmente do agronegócio, para avançar com a proposta.

Encontro da FPA
A Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) realiza nesta terça uma reunião sobre os impactos do tabelamento de frete para o setor.

Em nota, a FPA disse que entidades do setor deverão apresentar os prejuízos já contabilizados e o que esperam para os próximos meses. A paralisação de cadeias produtivas como a do leite e a de grãos e a alta nos índices de inflação são alguns dos efeitos apurados após o tabelamento do frete.

Entidades se posicionam contra o tabelamento
Nesta segunda-feira, 9, trinta e nove entidades do agro assinaram um documento contra o tabelamento do frete e alertaram o impacto da medida sobre a inflação.

Conforme o comunicado, as exportações de milho neste ano serão prejudicadas. O setor prevê uma queda de 10% no volume a ser embarcado, em razão do represamento da produção, que não está sendo negociada por causa da incerteza sobre os preços de transporte nos próximos meses.

Empresas do agro podem montar frotas próprias
Em vídeo divulgado, a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) informou que diante de um frete tabelado e sem previsibilidade, empresas e produtores maiores terão que montar frotas próprias, já que o mercado de frete rodoviário virou um serviço de alto risco.

Além disso, a tabela do frete está impedindo o produtor de receber fertilizantes, de vender a produção de forma antecipada e de obter financiamento.

“Os custos do frete já aumentaram entre 30% e 50%. O prejuízo mais dramático será sobre a produção de 2019, pois ninguém sabe quanto vai custar o transporte, impedindo o produtor e tradings de atuar no mercado futuro para se proteger contra oscilações de preço”, informou o presidente-executivo da entidade, André Nassar.

Produtores são obrigados a renegociar valor dos fretes
De acordo com o superintendente técnico da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Bruno Lucchi, muitos produtores que compraram os fertilizantes estão tendo dificuldade, pois há mais de 30 navios parados nos portos e as cargas não chegam na propriedade.

Além disso, os agricultores que já compraram o produto estão renegociando o valor do frete com revendas. “O produtor já tinha pagado um preço menor, mas está tendo que discutir um novo valor porque onerou muito, no caso de algumas revendas”.

AGRICULTURA, NOTÍCIAS

Por Com informações do Estadão Conteúdo

Fonte : Canal Rural