Supremo analisa reposição da inflação para servidor público

Ruy Baron
Luís Inácio Adams: reajuste de 1% na folha de salários da União traria impacto anual de R$ 2,3 bilhões

Um pedido de vista do ministro Dias Toffoli suspendeu, pela terceira vez, o julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF) que decidirá se os servidores públicos podem ser indenizados pela não revisão de seus salários de acordo com a inflação dos últimos anos. Até agora, o placar está em quatro votos a três contra o pagamento de indenização.

O caso é de grande impacto econômico e servirá de precedente para pedidos semelhantes, pois está sendo julgado pelo mecanismo da repercussão geral. Na sessão de ontem, o advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, foi à tribuna para ressaltar que um reajuste de 1% na folha de salários da União representaria impacto anual de R$ 2,3 bilhões aos cofres públicos, com base em dados de 2012. Ele lembrou ainda que uma decisão favorável aos servidores atingiria também os Estados e municípios.

No processo, que começou a ser julgado em 2011, servidores públicos civis de São Paulo pedem indenização que cubra as perdas salariais causadas pela não reposição inflacionária nos últimos anos. Eles argumentam que o reajuste está garantido pelo artigo 37, inciso 10, da Constituição Federal, que assegura "revisão geral anual" à remuneração dos servidores públicos. Segundo os autores da ação, não se trata de aumento salarial, mas de correção monetária dos vencimentos.

A não reposição inflacionária, de acordo com o secretário-geral da Confederação dos Trabalhadores do Serviço Público Federal (Condsef), Sérgio Ronaldo da Silva, vem "achatando" ano a ano o salário dos servidores federais. "Todos os anos temos que nos preparar para fazer greve e abrir negociação", afirmou. A entidade entrou no processo como parte interessada (amicus curiae).

Quando o julgamento começou em 2011, o ministro Marco Aurélio Mello, relator do caso, votou pelo pagamento da indenização, caracterizando o reajuste anual como um componente "essencial" do contrato do servidor com a administração pública. Para ele, os funcionários públicos buscam apenas indenização pelo descumprimento de um dever jurídico. O voto foi seguido pelos ministros Cármen Lúcia e Luiz Fux.

Já o ministro Luís Roberto Barroso abriu a divergência, criticando o que chamou de uma forma de "indexação permanente". De acordo com ele, o chefe do Executivo tem o dever de se pronunciar anualmente, de forma fundamentada, sobre a possibilidade ou não de concessão de reajuste anual geral para o funcionalismo, e o artigo 37 da Constituição não pode ser visto como um dever de modificar os salários. Barroso foi acompanhado pelos ministros Teori Zavascki, Rosa Weber e Gilmar Mendes.

Na sessão de ontem, Mendes fez uma crítica enfática sobre a possibilidade de concessão de um reajuste anual e pediu "imensa cautela" na análise do tema. "Não estamos infelizmente a decidir um único caso. Estamos a emitir um juízo que dirá que todos servidores federais, estaduais e municipais farão jus, à guisa de uma indenização, de receber a partir da decisão, e certamente com efeito retroativo, um valor de reajuste", disse.

E acrescentou: "Quanto isso custa? Podem dizer que não é da nossa conta, é de responsabilidade de quem for fazer a lei orçamentária. Mas isso demandaria uma revolução do ponto de vista orçamentário. Estaremos fazendo uma intervenção das mais radicais."

O ministro Luiz Fux questionou o que chamou de uma conclusão "consequencialista" do colega e defendeu que é preciso seguir o que está na Constituição. Ao pedir vista, o ministro Dias Toffoli lembrou que, durante a crise, alguns países da Europa chegaram a diminuir salários de servidores, inclusive juízes, o que seria proibido no Brasil.

© 2000 – 2014. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/legislacao/3720684/supremo-analisa-reposicao-da-inflacao-para-servidor-publico#ixzz3F5RGmqPI

Fonte: Valor | Por Bárbara Mengardo e Maíra Magro | De Brasília

4 comentários sobre “Supremo analisa reposição da inflação para servidor público

  1. sou servidor federal aposentado , e se demorar muito o julgamento acredito que poderá haver prejuízo aos servidores ,pois muitos ministros favoráveis a nós sairão pela expulsória e novos ministros escolhidos pela presidente não terão isenção para votar a nosso favor.

    1. Com o posicionamento do STF no sentido de não indenização pelas perdas salariais, está dando o aval e a senha para que a reposição de perdas inflacionárias nunca seja feita, pois a cada ano que findar não será reposto pelo maior devedor social, o Poder Público.

  2. Vocês irão ver quando o arckmin assumir a presidencia em 2018. Aqui em SP ele desrespeita flagrantemente a CF ao não dar reposição da inflação, demite servidores concursados e acaba com beneficios de mais de 30 anos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *