Suinocultores reivindicam auxílio do governo federal para amenizar custos de produção em São Paulo

Pecuaristas realizaram protesto durante a Avesui, nesta segunda

Roberto Vinícius/Agencia RBS

Foto: Roberto Vinícius/Agencia RBS

Suinocultores querem auxílio do governo para reduzir custos

Representantes do setor de suínos realizaram protesto nesta segunda, dia 02, durante a Feira da Indústria Latino-Americana de Aves e Suínos (Avesui), em São Paulo (SP), contra os altos custos de produção e baixos preços dos produtos. Os pecuaristas se dizem desanimados com a situação atual e preocupados com o futuro da atividade. Eles reivindicam ao Ministério da Agricultura que crie leilões de milho com preços mais baixos para pequenos e médios produtores.

Conforme o presidente da Associação Paulista de Criadores de Suínos (APCS), Valdomiro Ferreira, um documento será encaminhado ao órgão, pedindo que o valor de balcão gire em torno de R$ 21,00 a saca, que atualmente custa R$ 27,00. O alto preço da ração é um dos principais problemas do setor, conforme os pecuaristas. Pressionados, muitos abatem animais antes do tempo habitual, com peso mais baixo, e até mesmo matrizes.

Pecuaristas aguardam anúncio de desoneração da folha

O setor de proteínas – suínos, aves e bovinos – aguarda para esta terça, dia 3, o anúncio da desoneração da folha de pagamento por parte do governo. Segundo o diretor de Mercado Interno da Associação Brasileira da Indústria Produtora e Exportadora de Carne Suína (Abipecs), Jurandi Machado, a expectativa é de reduzir a alíquota de 20% de contribuição patronal sobre a folha de pagamentos para um porcentual ao redor de 1% que incidirá sobre o faturamento da indústria do setor.

Em agosto do ano passado, quando foi lançado o plano “Brasil Maior”, somente as indústrias de confecções, calçados, móveis e softwares foram beneficiadas com a desoneração.

– Esse é um pleito antigo do setor, não tínhamos como não entrar – afirmou o presidente-executivo da União Brasileira de Avicultura (Ubabef), Francisco Turra.

Segundo ele, o setor de aves brasileiro é um dos que mais emprega no País, com 720 mil empregos nas fábricas.

– Só a BRF Brasil Foods, que é a maior do segmento, tem mais de 115 mil funcionários – disse Turra.

Ele fez críticas ao Regime Especial de Reintegração de Valores Tributários para as Empresas Exportadoras (Reintegra), que estabeleceu a redução de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) dos itens manufaturados nas vendas externas e também lançado no plano “Brasil Maior”.

– Só um produto nosso teve o benefício – carne processada – e mesmo assim estamos com problemas de liberação dos créditos – explicou.

Exportações

O presidente-executivo da Ubabef antecipou números de exportação de carne de frango relativos a março. Segundo ele, o volume poderá ficar ao redor de 340 mil toneladas, 20,7% maior do que as 281,6 mil toneladas embarcadas em fevereiro.

– Fevereiro foi atípico. Mês passado já foi melhor, impulsionado por compras da China – afirmou.

Fonte: Ruralbr | CANAL RURAL E AGÊNCIA ESTADO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *