STF suspende decisão que amplia área indígena na Amazônia

O ministro Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal, deferiu parcialmente uma liminar para suspender as atividades de grupos técnicos da Fundação Nacional do Índio (Funai) na área da Terra Indígena de Kaxarari, na Amazônia.

A decisão foi proferida em reclamação apresentada pelo Município de Lábrea, no Amazonas, contra decisão da 5ª Vara Federal Ambiental e Agrária de Rondônia, que determinou à Funai a revisão e ampliação da reserva, situada entre Lábrea e Porto Velho (RO).

Para Marco Aurélio, é "evidente a insegurança jurídica" gerada pela atuação do grupo administrativo instaurado pela Funai visando à nova demarcação. "Além do potencial risco de conflito fundiário entre índios e produtores rurais, existe inegável prejuízo aos investimentos em atividades produtivas praticadas há décadas, à ordem no território e às finanças do município¿, afirmou.

Demarcação
Segundo a reclamação, a reserva indígena foi criada em 1986 e ampliada em 1992. Em 2008, o Ministério Público Federal (MPF) ajuizou ação civil pública visando a uma segunda ampliação do território, alegando que a demarcação anterior não teria observado as determinações do artigo 231 da Constituição, que trata das terras indígenas.

A juíza da 5ª Vara Ambiental condenou a Funai a iniciar e concluir o processo de revisão e ampliação da reserva. A fundação criou em abril um grupo técnico com essa finalidade, embora esteja recorrendo da decisão.

Para o município, a ampliação pode estender o território indígena "para praticamente toda a extensão rural do município" e afetaria "drasticamente" sua população e sua receita. O argumento é que existe em Lábrea um rebanho estimado em mais de 349 mil cabeças de gado, equivalente a mais de 20% do rebanho do Estado do Amazonas, e que a atividade agropecuária representa 63,59 % do PIB e 35,79% dos empregos do município.

Além do impacto econômico, que deixaria "a população majoritária e menos favorecida à beira da miséria", o município alega que a ampliação pode acirrar os ânimos na região, "com o surgimento de conflitos e distúrbios a envolver índios, pessoas ligadas a organizações não governamentais e os proprietários e possuidores de terras", o que recomendaria "a máxima prudência nesse tipo de caso".

Decisão
Além de afastar os efeitos da portaria da Funai que instituiu os grupos de trabalho e da sentença proferida pelo juízo da 5ª Vara Federal Ambiental e Agrária de Rondônia, o ministro determinou a suspensão dos processos administrativo e judicial que tratam sobre a questão até a decisão definitiva do STF.

    Fonte: Terra