STF decidirá destino de ação de representante comercial

O Supremo Tribunal Federal (STF) vai definir se conflitos entre representantes comerciais e a empresa representada devem ser analisadas pela Justiça comum ou pela Justiça do Trabalho. Os ministros da Corte, por maioria de votos, reconheceram, na última semana, a repercussão geral do tema. Com isso, a decisão de um caso específico servirá como orientação para processos semelhantes.

No recurso levado ao Supremo, uma empresa do Rio Grande do Sul pede que a Justiça comum julgue a ação de cobrança de comissões movida por um antigo representante comercial. Isso porque não haveria relação de trabalho em contrato firmado entre o representante e a empresa, "por faltar o requisito de subordinação".

Ao analisar o caso, o Tribunal Superior do Trabalho (TST) manteve decisão da segunda instância na qual foi reconhecida a competência da Justiça trabalhista para julgar controvérsias nas relações de trabalho, como passou a prever a Constituição Federal a partir da Emenda Constitucional nº 45, de 2004, que trouxe a reforma do Judiciário. A Procuradoria-Geral da República já apresentou parecer no Supremo com entendimento contrário.

Segundo o advogado trabalhista Volnei Tadeu Ferreira, do escritório Ferreira Rodrigues Advogados, a discussão existe porque a lei que regula as atividades dos representantes comerciais (Lei nº 4.886, de 1965) prevê que qualquer discussão seja julgada pela Justiça comum. "O Supremo vai avaliar se o artigo foi revogado com a emenda 45", diz Ferreira, diretor jurídico da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH).

Para o advogado, a decisão do Supremo não terá impacto apenas sobre os representantes comerciais, mas todas as pessoas que prestam serviços e não são contratadas pela CLT. "Advogados, engenheiros e arquitetos são exemplos de autônomos que, por prestarem serviços, têm uma relação de trabalho com a empresa", afirma.

© 2000 – 2012. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/brasil/2707368/stf-decidira-destino-de-acao-de-representante-comercial#ixzz1xaJZYdhi

Fonte: Valor | Por Bárbara Pombo | De São Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *