Soja ganha proteção contra lagartas

Os cinco produtos liberados ontem pelo Ministério da Agricultura (Mapa) para controle da lagarta Helicoverpa zea, que ataca o algodão na Bahia, deverão ajudar os gaúchos a conter o avanço da Helicoverpa gelotopoen na soja. São dois produtos biológicos (Virus VPN HzSNPV e Bacillus Thuringiensis) e três químicos (Clorantraniliprole, Clorfenapyr e Indoxacarbe) que já possuem registro no Brasil e, agora, terão extensão da aplicação publicada no Diário Oficial da União (DOU) de hoje.

Segundo o diretor do departamento de sanidade vegetal da Secretaria de Defesa Agropecuária do Mapa, Cósam Coutinho, a liberação foi feita para a espécie Helicoverpa zea, mas, como não há certeza sobre o inseto específico que vem causando danos às lavouras de soja, o Mapa admite que o uso pode ser estendido para outras lagartas do gênero e já debate a liberação emergencial a todos os animais Helicoverpa spp. ‘Estamos em uma situação de emergência. A extensão vale por um ano e pode ser prorrogada por mais um. Depois, é preciso buscar uma molécula específica’, diz Coutinho.

Esta safra foi a primeira em que as lagartas da maçã, do algodão e do milho causaram prejuízos à soja no Rio Grande do Sul.

Fonte: Correio do Povo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *