Soja gaúcha divide espaço no porto de Rio Grande

Além da safra gaúcha, terminais recebem também a produção de outros estados

Soja gaúcha divide espaço no porto de Rio Grande Tadeu Vilani/Agencia RBS

Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS

Joana Colussi

joana.colussi@zerohora.com.br

Pela primeira vez, a soja gaúcha divide espaço no porto de Rio Grande com grãos cultivados nos maiores produtores brasileiros: Mato Grosso e Paraná. O caos logístico para escoar a safra por Santos (SP), principal via de entrada e saída de mercadorias do país, fez com que navios e cargas fossem desviados para o terminal gaúcho — reforçando o volume recorde de exportações.

GALERIA DE FOTOS: CONFIRA O CAMINHO DA SUPERSAFRA

Os caminhões vindos de outros Estados ajudam a inflar os pátios de estacionamento dos três terminais graneleiros do Estado – Bianchini, Bunge e Termasa-Tergrasa. Neste ano, somente a Bianchini não adotou a fórmula de agendamento para recebimento do grão.

— Já se provou que a melhor fórmula é a de agendamento. No próximo ano, a Bianchini terá de aderir a esse modelo também — aponta o superintendente do porto de Rio Grande, Dirceu Lopes, acrescentando que dos 2 mil caminhões que chegam à cidade por dia, 80% estão com cargas agendadas.

Mesmo com o volume recorde previsto para chegar ao porto até o final de maio, cerca de 7 milhões de toneladas de soja gaúcha e 2 milhões de toneladas de outros Estados, o superintendente afirma que não há razões para temer grandes problemas.

— O porto tem capacidade para receber 170 mil toneladas por dia e o volume médio tem sido de 98,5 mil toneladas — garante Lopes.

Se do porto para dentro não há problemas, segundo o superintendente, do lado de fora não é o que se vê nos pátios de espera dos terminais graneleiros. Na semana passada, o caminhoneiro Roberto Ferreira dos Passos, 42 anos, esperou dois dias para descarregar na Bianchini uma carga trazida de Guarani das Missões.

— É preciso organização. Não recebo para ficar aqui parado, ganho por comissão de carga — reclamou.

Conforme o responsável pela operação de navios da Bianchini, Antônio Carlos Duarte, o atraso ocorreu por uma falha pontual, já solucionada, em um equipamento.

Custo de navio é de US$ 30 mil por dia

Com agendamento em quatro turnos, a Termasa-Tergrasa deve embarcar 70% da soja gaúcha.

— Mostrar fila é mostrar ineficiência — avalia Guilhermo Dawson, diretor superintendente da Termasa-Tergrasa.

Dawson explica que a empresa montou um esquema para que as cargas cheguem ao porto no momento em que o navio estiver atracado.

— Aumentamos nossa capacidade operacional para dar maior agilidade ao processo. Com isso, ninguém perde — aponta Dawson, acrescentando que o custo diário de um navio gira em torno de US$ 30 mil.

Fonte: Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *