SOJA – ESTIAGEM – Há um mês sem chuva, produtores de soja do RS acumulam prejuízos

Além de terem que replantar 5% da área, agricultores também estão mais sujeitos à incidência de ácaro, que prejudica a produtividade

VÍDEOS RELACIONADOS
RS: falta de chuvas prejudica produtor de soja
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Alta no milho e na soja cria disputa entre setores
PR: altas nas cotações de soja perdem fôlego
Colheita da safra de soja começa em ritmo lento
Produtores de soja da região das Missões, no noroeste do Rio Grande do Sul, estão tendo prejuízos por causa da estiagem, que já dura um mês. Cerca de 5% da área precisou ser replantada em razão da falta de chuvas.

O engenheiro agrônomo da Associação dos Produtores de Soja do Rio Grande do Sul (Aprosoja-RS) Laércio Pilau afirma que, se a planta fica muito tempo sem água, ela tem sua produtividade reduzida. É o que está acontecendo na propriedade de Éverson Santos Martins, do município gaúcho de Santo Ângelo.

O produtor rural teve que replantar 10% da área, e calcula aumento no custo de produção. Os problemas começaram em dezembro, com excesso de chuvas. Isso lavou o adubo da cultura, obrigando-o a refazer o trabalho. Com isso, acredita que os gastos subiram cerca de 20%.

A região das Missões recebeu 980 mm de chuva no último mês do ano, época em que chove normalmente 300 mm, de acordo com o presidente do Sindicato Rural de Santo Ângelo, Cláudio Duarte. Isso fez com que o plantio em algumas cidades tenha sido realizado ao longo de 80 dias, o dobro do período normal. As plantas estão em fase de floração e formação de vagens, quando mais precisam de chuvas regulares.

As condições atuais na região são propícias ao aparecimento do ácaro, que também afeta a produtividade da lavoura. A praga é praticamente imperceptível, por isso é necessário redobrar o exame da plantação nesta época do ano, segundo o agrônomo Laércio Pilau.

A área de soja em Santo Ângelo foi ampliada em torno de 30% nesta safra. Apesar dos problemas climáticos, a expectativa é manter a produção da última temporada.

Segundo o presidente do sindicato local, houve redução da área de milho na região, e maior investimento em tecnologia na soja. “A projeção é de produzir de 50 a 60 sacas por hectare”, afirma Cláudio Duarte. Para o produtor rural Éverson Martins, o resultado da produção ainda é uma incógnita.

Fonte : Canal Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *