Sinalizações para a próxima safra

Fonte: REVISTA FATOR BRASIL

Situação Mundial- Ao se aproximar o fim da colheita do milho no hemisfério Norte e com o início do plantio desse cereal no hemisfério Sul, uma análise da situação de abastecimento prevista para o próximo ano pode ser útil para as análises do que nos espera por ocasião da colheita da safra de 2011/12, no Brasil.

A primeira informação diz respeito aos possíveis preços. No mercado mundial está ocorrendo o que já se verificou no ano passado, mais ou menos nesta época. Como não existe nenhuma notícia pior (uma quebra significativa na safra americana, por exemplo) para ser comunicada e, segundo as projeções do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), o abastecimento de milho para o próximo ano nos Estados Unidos está garantido (apertado, mas garantido), os motivos para especulação se enfraquecem e o preço internacional do milho começa a ceder. Desde o fim do mês de agosto, quando atingiu níveis ao redor de US$ 7,60 por bushel (algo em torno de US$ 300 por tonelada), o preço do milho não faz outra coisa senão cair até níveis próximos a US$ 6,50 por bushel (US$ 250 por tonelada). Esse preço ainda está dentro da faixa de variação que tem se verificado desde o início do ano (ao redor dos US$ 7,00 por bushel) que, convenhamos, está bem elevado.

Se do lado dos Estados Unidos o abastecimento está apenas garantido, informações do USDA indicam que a situação nos países da antiga União Soviética (a atual Rússia e a Ucrânia) é muito diferente da verificada no ano passado. Uma colheita recorde está sendo prevista para essa região (cerca de 45 milhões de toneladas, contra 30 milhões no ano passado), gerando um excedente exportável de mais de 20 milhões de toneladas. Isso garante o abastecimento do norte da Europa e dos países vizinhos. A produção de milho nessas regiões vem gradativamente se fortalecendo e certamente afetará o mercado em uma região que eventualmente (em períodos de crises mais agudas) é abastecida pelas exportações do Brasil. Influências colaterais podem advir da maior disponibilidade regional de milho e seu impacto sobre a criação de suínos no país (Rússia) que é o maior importador desse tipo de carne do Brasil.

Algumas informações adicionais sobre o mercado de combustíveis começam a indicar que a recessão que está afetando os Estados Unidos pode alterar as condições do mercado de etanol, que tem sido o motor do crescimento do consumo do milho nesse país e, indiretamente, do mundo. As informações mais recentes do USDA indicam uma estabilidade no consumo de milho nos Estados Unidos para essa finalidade (128 milhões de t em 2010/11 e uma previsão de 127 milhões de t em 2011/12), com uma redução de cerca de 2,5 milhões de toneladas de milho entre as estimativas de agosto e setembro.

A novela que não termina é o futuro da China como importadora de milho. Um estudo recente do U.S. Grains Council sobre a redução na autossuficiência no abastecimento interno de alimentos na China, levanta questões se a redução que se verificou no caso da soja (de 100% de autossuficiência em 1990/91 para 20% nos anos mais recentes) seria aceitável para o governo chinês no caso do milho. Aparentemente existe um maior compromisso do governo com relação ao milho do que com a soja. Uma redução para 95% de autossuficiência no milho abriria mercado para cerca de oito milhões de toneladas em exportações desse cereal para a China. Como a decisão é política, nestes tempos de aumento de preços no mercado internacional do milho, o governo reagiu leiloando o cereal de seus gigantescos estoques (cerca de 40% dos estoques mundiais estão armazenados na China), mesmo em um ano que se anuncia uma colheita chinesa recorde. O objetivo é tentar segurar os preços internos de milho e de carne suína. A inflação dos alimentos na China chegou a 13% nos doze meses terminados em agosto e a carne suína subiu 52% no mesmo período. Essa elevação dos preços é problemática, pois afeta a parcela mais pobre da população urbana.

Em resumo, os Estados Unidos seguem administrando a sua escassez de milho e com certeza a próxima safra americana repetirá a pergunta feita nas últimas safras: será que vai dar para atender às necessidades? Essa pergunta continuará alimentando a incerteza e a especulação. Na China permanece a dúvida de até quando a autossuficiência poderá ser mantida, frente à pressão de consumo doméstico por proteína animal. Quem fica confortável são os países da Europa e da antiga União Soviética, com estoques se recompondo e gerando excedentes exportáveis.

Na América do Sul, na Argentina, estimativas oficiais dão conta de um incremento de cerca de 7% na área plantada, uma clara resposta ao nível internacional dos preços (a Argentina exportou 12,9 milhões de toneladas de milho na safra 2010/11, cerca de 55% de sua produção). O plantio ainda está muito no início e incertezas sobre o clima podem modificar a decisão dos produtores com relação à lavoura que irão implantar. O interessante, na Argentina, é que já existem unidades industriais produtoras de etanol a partir do milho, o que pode contribuir para o aumento do consumo interno e provocar redução das exportações (continua a disputa entre agricultores e governo na Argentina por conta do estabelecimento de quotas de exportação de milho).

Situação Interna- No Brasil, os preços continuam se situando na faixa entre R$ 22,00 e R$ 26,00 o saco, nas principais regiões consumidoras, e apresentando uma tendência de alta. Essa tendência é comum no segundo semestre em função do aumento no alojamento de aves para venda no Natal. Como a safrinha já foi colhida, uma boa definição da disponibilidade deveria estar disponível. O problema está na discrepância dos números da CONAB (COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO) e do Imea (Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária). Embora ambos apresentem uma redução na produção de milho em Mato Grosso, segundo o Imea a redução percentual é mais elevada (cerca de 17% de redução, contra uma estimativa de 6% da CONAB). De qualquer forma, a redução na produção e as condições mais favoráveis do mercado internacional conduziram os preços do milho a cerca de R$ 20,00 por saco, algo inimaginável no ano passado.

Se parte desse aumento nos preços é devido à redução na produção na safrinha, parte dele deve ser atribuído ao aumento nos preços internacionais que se situam nos últimos três meses ao redor de US$ 300 por tonelada, enquanto no mesmo período do ano passado estavam ao redor de US$ 170. Como resultado, já foram exportadas no ano de 2011 um quantitativo de 4,5 milhões de toneladas (um milhão a mais do que no mesmo período de 2010), o que contribuiu para reduzir ainda mais o disponível no mercado. A maior parte desse aumento foi exportada no início do ano, contribuindo para reduzir a oferta no início da safra de verão e no mês de agosto (em resposta aos preços internacionais) contribuindo para reduzir a oferta da safrinha.

A safra de 2011/12 começa com muito otimismo em função dos preços animadores. Nos estados do Sul, estima-se um crescimento de 15% na área plantada no Paraná (segundo o Deral – Departamento de Economia Rural, da Secretaria da Agricultura do Paraná) e onde o plantio já se encontra mais adiantado do que no ano passado, com os agricultores aproveitando a época mais favorável para o desenvolvimento futuro das lavouras. Em Mato Grosso, segundo o Imea, mais de 40% da safra de milho a ser colhida na safrinha de 2012 já se encontra comercializada. Com certeza há muitos anos não se via tanto entusiasmo com a cultura do milho. O resultado final fica por conta do clima, mas isso ainda é futuro.

.Por: João Carlos Garcia e Jason de Oliveira Duarte,Pesquisadores da área de economia agrícola da Embrapa Milho e Sorgo |.CiMilho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *