Setor leiteiro cobra revisão tributária

O setor lácteo pressiona para que o governo federal autorize a compensação de créditos acumulados de PIS/Cofins, a exemplo do que foi adotado em outros setores como os do café, suco de laranja e carnes. O represamento atinge as indústrias que produzem leite longa vida no país. Os créditos são gerados na compra de insumos, mas, como essas empresas são isentas do pagamento do imposto, não conseguem utilizar o saldo. A mudança do sistema tributário e a cobrança de tratamento igualitário são os dois pontos que os parlamentares pretendem cobrar do ministro da Fazenda, Guido Mantega. A convocação de Mantega para a audiência da Comissão de Agricultura da Câmara, prevista para hoje, foi derrubada por manobra regimental. Autor do requerimento, o deputado Onix Lorenzoni fará nova tentativa de votar convocação hoje.

Dados setoriais indicam que os créditos estocados chegariam a R$ 1,5 bilhão, sendo R$ 500 milhões somente da LBR, que encontra-se em recuperação judicial. Para Lorenzoni, a saída é permitir a compensação no pagamento de outros tributos como, por exemplo, IPI e Imposto de Renda. O secretário-executivo do Sindilat, Darlan Palharini, sugere outras formas de reaver esses créditos. ‘Queremos alternativas, que o governo possa autorizar o repasse às empresas, talvez até como desembolso em assistência técnica. Isso voltaria para a economia com efeito multiplicador e melhoraria qualidade e competitividade no setor primário no médio prazo.’

Para o presidente da Associação Gaúcha de Laticinistas (AGL), Ernesto Krug, o sistema tributário tem de ser revisto para resolver gargalos como a guerra fiscal e a altíssima carga incidente antes e depois da porteira, estimada ao redor de 30% do preço final ao consumidor. Para Krug, o governo precisa seguir países como os EUA e dar tratamento diferenciado ao leite.

Fonte: Correio do Povo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *