Setor agropecuario continua trabalhando sem prejuízo pela coronavírus, dizem lideranças ouvidas.

Publicado em: 14/04/2020

Na avaliação de lideranças do setor agropecuário de SC, em termos numéricos não se identificou repercussão negativa no setor motivado pela Coronavírus. Como não houve paralisação total das atividades, nem no campo nem nas cooperativas nem nas agroindústrias, até agora tem pouca expressão econômica e financeira. Na primeira semana do isolamento houve um pouco de preocupação, disse o presidente da Fecoagro Claudio Post, mas com a abertura progressiva de outras atividades que fazem parte da cadeia do agro, não da pra dizer que tenha prejudicado o setor. Em temos financeiros apenas a redução de empregados no trabalho devido a evitar a aglomeração e o que pode repercutir em custos, mas pouco significativo se comparar com demais setores. Apenas as pessoas da faixa de risco estão em casa, mas muitos trabalhando em home office.

Não se tem notícia de demissões no campo, ressaltou o presidente da Fetaesc Walter Drech por causa da convive 19. Ao contrário as agroindústrias ate estão selecionando contratações de funcionários demitidos de outras empresas. O que preocupa são as perdas provocadas pela estiagem em SC, enfatiza Drech.

O mercado internacional de grãos não parou e as exportações e proteínas tiveram redução, mas devido à impossibilidade dos países importadores de receber os produtos, mas começa a recuperar. Preços dos produtos em nível de produtor também não sofreram oscilações por motivo da pandemia. As entregas de defensivos e fertilizantes estão ocorrendo normalmente para próximo plantio.

Havia preocupação com os leilões de terneiros que ocorrem em abril e maio e que estavam suspensas, e retidas no meio rural, mas foram autorizadas as vendas por meio eletrônicos e isso devem contribuir para que não haja interrupções, enfatizou o presidente da Faesc Jose Zeferino Pedrozo, que também concorda com as demais lideranças que os prejuízos, pelo menos por enquanto não expressivos no setor agropecuário.

O secretario da Agricultura Ricardo de Gouveia também concorda que os reflexos são pequenos a área rural, pois o setor não parou. Apenas pode ter havido algum prejuízo na agricultura familiar, para aqueles agricultores que fornecem produtos ara a merenda escolar, pois as escolas estão paradas e não estão recebendo esses produtos. Está se administrando outra forma de escoar os alimentos que eram destinados às escolas.

Fonte: Fecoagro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *