Serra passa a ter laboratório móvel para análise de solo

Com capacidade para 200 testes por semana, furgão da Embrapa facilitará a vida de produtores da região, que antes tinham de fazer exames no norte fluminense

Furgão com laboratório itinerante levou três anos para ficar pronto Furgão com laboratório itinerante levou três anos para ficar pronto
Foto: Fotos: Divulgação Embrapa e Governo RJ

Rio de Janeiro – A partir de janeiro os agricultores da região serrana terão um laboratório itinerante para análise de solo. Desenvolvido pela Embrapa, o Fertmóvel foi inaugurado esta semana em Nova Friburgo com a promessa de facilitar a vida dos produtores da área.

O laboratório funciona dentro de um furgão e está capacitado para emitir laudos técnicos de correção de solos, como recomendações de adubação e calagem. Só dois laboratórios fixos do tipo funcionam atualmente no estado, ambos em Campos dos Goytacazes, no norte fluminense, o que demandava deslocamentos por parte dos agricultores da serra – muitos, inclusive, recorriam a laboratórios em estados como Minas Gerais e Espírito Santo.

"Como identificamos a carência de laboratórios e éramos cobrados para retornar nossas análises, tivemos a ideia de montar esse veículo para atender aos principais polos produtores da região serrana", conta o pesquisador da Embrapa e idealizador do Fertmóvel, José Ronaldo Macedo.

Concebido pela Embrapa Solos do Rio e fruto de uma parceria com a prefeitura de Nova Friburgo, a Syngenta (empresa suíça especializada em sementes e produtos químicos) e a escola agrícola Ibelga, o Fertmóvel é equipado com itens como fotômetro de chapa, espectrofotômetro, mesa agitadora, balança analítica, pHmetro, entre outros. Para a operação, a Embrapa concluirá, no mês que vem, o treinamento de duas ex-estudantes do Ibelga. A reforma do espaço para colocar as estufas e secagem do solo na instituição também estão na reta final.

A recomendação de calagem e adubação do solo, por sua vez, será responsabilidade de técnicos da Secretaria municipal de Agricultura de Nova Friburgo e da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Rio de Janeiro (Emater-Rio).

O veículo (com volume de carga de 14 m³) ficará estacionado no pátio da escola agrícola e as amostras do solo serão previamente preparadas dentro da instituição. Segundo a Embrapa, a capacidade será de 200 análises por mês, igual a de um laboratório convencional do tipo.

Custos iniciais

Nesta fase inicial, a Syngenta subsidiará os custos. Após um ano de operação, a ideia é cobrar cerca de R$ 50 por cada análise para que o Fertmóvel se sustente e arque com os gastos com preparação das amostras, luz, uso de água, entre outros.

"Observamos que os produtores reclamavam frequentemente da diminuição da fertilidade do terreno em algumas áreas, além de relatar dificuldades para realizar a análise do solo. Nosso objetivo, desde o início, era aumentar a oferta de análises de solos no estado e reaproximar o produtor rural dos órgãos de pesquisa e extensão", explica a chefe de Transferência de Tecnologia da Embrapa Solos, Denise Werneck.

Fernando Miragaya

Fonte : DCI


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *