Senado ouve opinião de especialistas sobre o novo Código Florestal

Fonte: Canal Rural | Letícia de Oliveira | Brasília (DF)Atualizada às 20h41min

Ministério do Meio Ambiente enumerou 25 pontos que precisariam ser alterados no texto

 

Pelo segundo dia consecutivo, o Senado chamou especialistas para ouvir opiniões diferentes sobre o projeto que atualiza o Código Florestal. Desta vez, o debate foi na Comissão de Ciência e Tecnologia.

O Ministério do Meio Ambiente enumerou 25 pontos que precisariam ser alterados no texto. O principal é sobre o uso das Áreas de Preservação Permanente (APPs). Pela proposta original, esse espaço poderia ser utilizado em casos excepcionais, de utilidade pública, como a construção de estradas, por exemplo. Mas o projeto aprovado pela Câmara, segundo o governo, permite que a vegetação dê lugar também a atividades de plantio, pecuária e turismo.

– A possibilidade de supressão passa a ser a regra. Então, nesse sentido, no espaço rural, a APP vira uma mera figura de linguagem – informa o diretor de Florestas do Ministério do Meio Ambiente, João de Deus Medeiros.

A brecha no texto poderia elevar o desmatamento em 18 milhões de hectares, segundo estimativa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Somada à liberação para que as propriedades com até quatro módulos fiscais não necessitem recuperar a Reserva Legal, o desmatamento, segundo o Ipea, poderia atingir 47 milhões de hectares, se o Código Florestal não for alterado no Senado.

– A nossa preocupação é com relação à manutenção da degradação já existente, especialmente nas áreas que foram isentas. E até mesmo do potencial de ampliação do desmatamento em função da forma com que o Código olha a temática das terras no Brasil – afirma o presidente do Ipea, Marcio Pochmann.

O Ministério da Ciência e Tecnologia pediu que os senadores incluam no texto do Código Florestal a delimitação de APPs também nas zonas urbanas.  O argumento é que regra pode evitar novas mortes por desastres naturais, como as que ocorreram no Rio de Janeiro e em Santa Catarina.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *