Seminário discute agroecologia na Câmara dos Deputados

Foto: Paulo Henrique Carvalho/MDA

Dar visibilidade à agroecologia como proposta para o desenvolvimento rural do país. Este foi o objetivo do II Seminário de Agroecologia e Produção Orgânica realizado, nesta terça-feira (05), na Câmara dos Deputados. O evento também busca ampliar e fortalecer a rede de apoio e parceiros para temas de interesse da agroecologia e produção orgânica.

O ministro do Desenvolvimento Agrário, Patrus Ananias, participou da mesa ‘O papel do poder Legislativo na construção, fortalecimento e implementação da Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica’. Aos presentes, Patrus falou sobre a necessidade de mais pesquisas e envolvimento da mídia para conscientizar sobre as vantagens do consumo de alimentos agroecológicos. “A questão da comunicação é fundamental, para nós que queremos um debate amplo, plural, sobre o impacto do uso abusivo de agrotóxicos e sementes transgênicas na vida das pessoas e na natureza”, destacou.

Patrus disse ainda que a reforma agrária deve estar centrada na agroecologia. “Eu penso que essa segunda revolução agrária no Brasil deve estar voltada para a agricultura familiar, na perspectiva da função social da terra, do cooperativismo, da agroecologia buscando agregar”, disse o ministro ao observar que o maior desafio é convencer a sociedade de que é possível produzir alimentos de qualidade e em quantidade.

Participação

Várias autoridades e representantes de movimentos sociais participaram do Seminário.  Bete Cardoso, representante da Marcha das Margaridas fez parte da mesa. Ela aproveitou para salientar que as mulheres são as mais atingidas pelo uso abusivo de agrotóxicos. “É que geralmente somos nós que lavamos os equipamentos usados na aplicação, e nem sempre colocamos luva”, disse ao alertar que o contato com o agrotóxico é um dos culpados pelo aumento da incidência de câncer nas mulheres do campo.

Bete Cardoso falou sobre a importância dos Quintais Produtivos dentro do modelo agroecológico, que vem sendo pensado para o país.  “Esses quintais têm um potencial muito grande, pouco investimento, e uma renda maior do que se imagina”, disse ela ao pedir que o governo federal pense em criar linhas de fomentos para que as mulheres possam investir mais na produção orgânica em seus quintais.

De acordo com a representante da Marcha das Margaridas, as mulheres estão juntas com o governo federal na promoção da agroecologia. “Nos encontros que vou, todas concordam que devemos diminuir ou até banir o uso de agrotóxico”, destacou.

Organização

II Seminário de Agroecologia e Produção Orgânica foi organizado pela Frente Parlamentar de Desenvolvimento da Agroecologia e Produção Orgânica, coordenada pelo deputado federal Leonardo Monteiro, com apoio da Frente Parlamentar de Segurança Alimentar e em parceria com a Secretaria de Governo da Presidência da República, por meio da Comissão Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica – CNAPO.

Adolfo Brito
Ascom/MDA

Fonte : MDA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *