Secretários pedem prorrogação das dívidas de produtores rurais nordestinos

Estiagem afeta mais de 500 municípios do Nordeste

Elza Fiúza / Agência Brasil

Foto: Elza Fiúza / Agência Brasil

Eduardo Salles e Mendes Ribeiro participaram de reunião nesta terça, dia 3

A seca que assola diversos municípios nordestinos foi o principal assunto da reunião dos secretários estaduais de Agricultura com o ministro da área, Mendes Ribeiro Filho (PMDB-RS), nesta terça, dia 3. Eduardo Salles, presidente do Conselho Nacional de Secretários de Estado de Agricultura (Conseagri), afirmou que 500 municípios da Região Nordeste estão em situação de calamidade ou emergência por causa da falta de chuvas.

Salles, que é secretário de Agricultura da Bahia, disse que o Conseagri entregou ao ministro a reivindicação de prorrogação por dois anos das parcelas dos financiamentos de custeio e investimento que vencem neste ano, por causa da incapacidade de pagamento de pequenos, médios e grandes produtores rurais. A mesma pauta seria entregue ainda nesta terça pelos secretários ao ministro do Desenvolvimento Agrário, Pepe Vargas (PT-RS).

Segundo o secretário, atualmente existem 200 municípios baianos em estado de emergência. Ele disse que há três anos as chuvas estão irregulares e desde o final do ano passado não chove em regiões da Bahia.

– Sou engenheiro agrônomo e na minha vida inteira nunca vi uma seca como esta. Falta água para consumo humano e para matar a sede dos animais. Existem frigoríficos de caprinos e ovinos que estão abatendo 80% de fêmeas – conta.

Salles disse que algumas ações emergenciais estão sendo adotadas na Bahia e em outros Estados nordestinos, com a construção de cisternas e distribuição de alimentos por parte da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Ele observa que, além da questão social, também existe o impacto econômico, com as perdas na produção de soja e algodão no sudoeste baiano, que ainda estão sendo mensuradas.

A agricultura irrigada também está sofrendo com a seca. Salles comentou que o governador da Bahia, Jaques Vagner, suspendeu o uso pelos agricultores de duas barragens, que só podem ser utilizadas para consumo humano e animal. Os agricultores serão indenizados pela Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codesvaf). Na região da Chapada da Diamantina, tradicional produtora de hortaliças, o uso da agricultura irrigada caiu 30%, por causa da falta de chuvas.

Os secretários de Agricultura pedem uma solução definitiva para o problema da seca na região Nordeste. Salles diz que o governo federal deve aproveitar o momento para lançar "o PAC do Semiárido", para que os agricultores possam contar com estruturas de adutoras e barragens definitivas.

– É preciso ações estruturantes, para que a gente não tenha, a cada ano, "soluços de soluções" para o Nordeste – diz o secretário.
Sul

No Rio Grande do Sul, 360 municípios estão em situação de emergência. A estiagem, também continua em Santa Catarina.
A longo prazo, o Ministério da Agricultura quer investir na regionalização das políticas públicas. A idéia é que os secretários estaduais sejam parceiros na aplicação dessas ações, que serão criadas levando em conta as características de cada Estado.
— Acredito que nós vamos caminhar juntos e de forma muito sintomática na definição da política agrícola brasileira — disse Mendes Ribeiro Filho.

> Assista à série de reportagens produzidas pelo Canal Rural sobre a seca no semiárido nordestino

Fonte: Ruralbr | AGÊNCIA ESTADO E CANAL RURAL

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.