Secretaria da Agricultura anuncia indicadores e programas prioritários em 2015

Polo divulgou ontem as metas para o decorrer do ano

Polo divulgou ontem as metas para o decorrer do ano

A Secretaria Estadual da Agricultura e Pecuária divulgou ontem seus projetos prioritários e indicadores de desempenho para este ano. Entre as iniciativas estão a continuidade dos trabalhos de três programas desenvolvidos na gestão anterior, que totalizam investimentos de R$ 11,9 milhões. Também foram definidos outros sete pontos de atuação, entre novas ações e metas estabelecidas no governo passado.
Entre os programas, o que receberá mais investimento é a implementação do Sistema Unificado de Atenção à Saúde Agropecuária (Suasa), orçado em R$ 6,2 milhões. Os recursos foram garantidos em um acordo com o governo federal e devem resultar em 680 supervisões dos trabalhos realizados nas propriedades gaúchas
Já o Mais Água/Sistemas Agrícolas Produtivos, conduzido pela Fepagro, prevê R$ 3,5 milhões de investimentos em 10 estações meteorológicas e a instalação de 200 sensores de umidade, além de estudos sobre o manejo do solo. A fundação também receberá outros R$ 2,1 milhões da Embrapa e do Bndes para comprar equipamentos e melhorar a rede elétrica em Hulha Negra, São Gabriel, São Borja e Viamão.
Entre novidades nos indicadores estabelecidos é a criação do Programa Estadual da Gestão de Água e Solos em microbacias. O objetivo é melhorar o manejo do solo e da água, garantindo maior produtividade. O secretário estadual da Agricultura e Pecuária, Ernani Polo, lembra que o Estado ainda precisa avançar nesse tema e, por isso, a ideia é estabelecer uma iniciativa de longo prazo, que perdure por diferentes governos. "O Paraná, há 30 anos, começou algo parecido e já colhe os frutos. Na safra passada de soja, em uma área plantada semelhante à nossa, com um perfil de clima e produção parecidos, eles colheram 2,5 mil toneladas a mais que o Rio Grande do Sul", compara.
Outro destaque deve ser a implantação de um programa de controle da brucelose e tuberculose. O município de Westfalia servirá como uma espécie de piloto para o desenvolvimento de uma metodologia a ser aplicada em todo o Estado. "A melhora no status sanitário é fundamental em todas as cadeias produtivas", salienta Polo. Além disso, a secretaria pretende estimular a adesão ao Sistema Unificado de Sanidade Agroindustrial, Familiar, Artesanal e de Pequeno Porte (Susaf). No próximo dia 15, será realizada uma reunião com 28 municípios que possuem a documentação necessária para aderir ao sistema.
A secretaria ainda prevê a implantação de módulos no Sistema de Defesa Agropecuária para registrar produtos e rótulos, promete agilizar o controle fitossanitário de produtos vegetais e colocar em vigor o Sistema Integrado de Gestão de Agrotóxicos (Siga). A irrigação também será contemplada, com a expansão do programa Mais Água Mais Renda. A meta é irrigar 16 mil hectares em 2015, sendo que 10,5 mil hectares já receberam as melhorias necessárias. Ao todo, a iniciativa já irrigou 68 mil hectares.
Polo lembra que hoje a área irrigada no Rio Grande do Sul chega a 3%. "O potencial máximo de irrigação é de 15% a 18% de toda a área de produção. Por isso, é preciso também investir no cuidado com o solo", argumenta.

 

Fonte: Jornal do Comércio

Fernando Soares

ANTONIO PAZ/JC

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *